Setor de HPC consolida alta de 5,8% entre os meses de janeiro e setembro de 2020

Segundo a Abihpec, essa alta do setor de HPC foi impulsionada pela pandemia do coronavírus, com destaque para o desempenho de itens voltados aos cuidados com os cabelos

De acordo com o painel  de Dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o setor de HPC deve alta de 5,8% com destaque para produtos para os cabelos.

Isso significa que em faturamento de HPPC  (vendas ex-factory) no acumulado de janeiro a setembro de 2020, teve um bom desempenho quando comparado com o mesmo período em 2019. Perfumaria e Tissue foram os segmentos que tiveram melhor desempenho no período, com altas de 10,3% e 16,5% respectivamente.

O segmento de Higiene Pessoal acumulou um crescimento de 4,3% e o de cosméticos, manteve-se estável no consolidado, com crescimento de 0,1%.

“Em tempos de pandemia, os resultados de performance da indústria brasileira de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos vem se consolidando com equilíbrio e coerência, de forma mais positiva do que prevíamos no início da crise. Para atingirmos esses resultados, foi fundamental para o nosso setor termos sido considerados essenciais para o país, inclusive pelo governo, desde o início da pandemia, situação diferente daquela enfrentada pela indústria de HPPC em outros países, como EUA e União Europeia“, diz o presidente-executivo da Abihpec, João Carlos Basilio.

Cesta Covid-19 de consumo

O reforço dos hábitos de higiene pessoal da população, ao longo dos últimos meses, com foco na mitigação dos riscos de contágio pelo coronavírus, impulsionou o consumo de alguns itens de HPPC, reunidos no que chamamos de “cesta Covid-19 de consumo” (composta por álcool em gel, sabonetes – líquidos e em barras -, papel higiênico, lenços de papel descartáveis e toalhas de papel multiuso).

A cesta Covid-19 obteve um crescimento de 16,7% no acumulado de janeiro a setembro de 2020, em comparação ao mesmo período do ano anterior, em valor de vendas (ex-factory). Nesse contexto, o álcool em gel teve um crescimento de vendas de 1.169,1%.

Abihpec destaca a alta dos produtos voltados para os cabelos

Ainda como reflexo do reforço dos hábitos de higiene pessoal, nesse segmento, se destaca o desempenho de produtos voltados aos cuidados com os cabelos, como: shampoos, condicionadores e produtos para tratamento capilar, que apresentaram crescimentos de 8,2%, 20,6% e 10%, respectivamente (no acumulado de janeiro a setembro 2020X 2019, em vendas ex-factory).

Além disso, por conta do aumento da frequência de lavagens das mãos e do uso de álcool em gel, cresceu o consumo de hidratantes para as mãos.

A categoria cresceu 169,1%, de janeiro a setembro de 2020 na comparação com o mesmo período do ano anterior (em vendas ex-factory).

Os hábitos relacionados ao autocuidado e a promoção do bem-estar, também merecem destaque.

Produtos para cuidados com a pele do corpo, como esfoliantes, registraram alta de 161,7%, consequência do comportamento dos brasileiros, de utilização do banho como um momento de relaxamento.

Já a categoria de produtos de cuidados com a pele do rosto apresentou crescimento de 28,7%. O destaque fica para as máscaras de tratamento faciais, que tiveram uma alta acumulada de 101,4%.

Datas promocionais

“Acreditamos que datas promocionais como a última sexta de novembro e o Natal, certamente seguirão impulsionando as vendas nos próximos meses, especialmente no segmento de perfumaria e, as plataformas digitais de interação com o consumidor, são extremamente estratégicas para transformar em realidade tais expectativas”, afirma.

A entidade acredita, no entanto, que o setor tem potencial para fechar 2020 com um crescimento nominal consolidado, de cerca de 6%.

Esse cenário existe pelos bons resultados atingidos principalmente desde o mês de maio até setembro, que foram mais aquecidos em termos de performance, do que os meses iniciais do período de pandemia, março e abril.

No entanto, não há como deixar a cautela de lado.

“Com a redução dos valores do auxílio emergencial, a alta tributação sobre o setor e o aumento da taxa de desemprego no País, este cenário se torna ainda mais desafiador e poderá impactar diretamente os níveis de consumo do brasileiro”, finaliza João Carlos Basilio.

Quais categorias nas farmácias foram afetadas pelo novo coronavírus? 

Fonte: Segs

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário