Soro anticoronavírus começa a ser produzido em Minas Gerais

Soro é desenvolvido a partir da inoculação do vírus inativado em cavalos. A partir daí, serão produzidos os anticorpos para neutralizar a ação do Sars-Cov-2

Pesquisadores da Fundação Ezequiel Dias começaram a imunizar cavalos para a produção de soro contra o coronavírus. Resultado de uma pesquisa que começou no início do ano, ele será utilizado para enfraquecer a atuação do vírus no organismo.

O pesquisador responsável, Sérgio Caldas, explicou que o soro será desenvolvido a partir dos anticorpos produzidos pelos animais que estão sendo inoculados com o vírus Sars-Cov-2 inativado.

“Como o cavalo tem muito sangue, podemos coletar, processar o anticorpo para produzir o soro que vai neutralizar a ação do vírus no organismo”, explicou na época.

Soro anticoronavírus

A lógica da atuação será semelhante a dos antiofídicos produzidos pela fundação: uma vez que o paciente está infectado, o soro vai agir para atenuar os efeitos da Covid-19.

“É uma imunização passiva, ou seja, não tem memória como tem a vacina. É para tratar o indivíduo, para neutralizar a carga viral imediatamente”, disse na ocasião.

A expectativa do governo é que os lotes-pilotos, com 5 mil ampolas, estejam prontas em janeiro de 2021. O uso do soro será restrito ao ambiente hospitalar a partir de prescrição médica.

Após estudos clínicos para validação da segurança e eficácia do soro será solicitado o registro na  Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a produção de lotes industriais em larga escala.

Crianças têm alta carga viral do coronavírus e podem ser mais infecciosas 

Cientistas descobrem anticorpo que bloqueia infecção por Sars-CoV-2 

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário