Sputnik V chega em uma semana ao Brasil e vacina contra a Covid-19 será usada no Nordeste com restrições

Lote com 1,1 milhão de doses permitirá experiências como a imunização total da população de cidade paraibana

A novela que envolve o uso da Sputnik V no Brasil está próxima de ganhar um novo capítulo apesar das restrições. Em uma semana deverão desembarcar no Recife 1,1 milhão de doses da vacina russa contra a Covid-19 que irão iniciar finalmente o uso do imunizante no país.

Da capital pernambucana, as vacinas seguirão para os demais estados do Consórcio Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe), autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a importar os antígenos. Eles chegam através do processo batizado de “importação excepcional e temporária”.

Um outro lote, com aproximadamente 600 mil doses, será, portanto, encaminhado para estados do Norte, ainda sem prazo determinado para chegar.

“Aplicaremos as primeiras doses em, no máximo, uma semana após a chegada da vacina. E, vinte e um dias depois, a segunda dose. Com isso, teremos a análise de imunização mais cedo” — diz o governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias.

Na prática, então, a Sputnik V será incorporada à imunização desses estados de maneira controlada, com estudo de sua segurança e eficácia.

Já a avaliação de efetividade — que é o quanto a vacina protege para desdobramentos do coronavírus — ficará a cargo do infectologista Julio Croda, do grupo Vebra Covid-19.

Uso da Sputnik V terá restrições 

Com uma quantidade equivalente a 1% da população de cada estado, a entrada da Sputnik V não será capaz de acelerar substancialmente os processos de imunização locais.

Mas a experiência, inédita no país, possibilitará a cada estado escolher a forma de uso da vacinação com o imunizante russo.

Está prevista, por exemplo, a imunização em massa de ao menos toda uma cidade, como ocorreu em Botucatu e Serrana, em São Paulo. Trata-se de Sousa, na Paraíba, com 69 mil habitantes.

Fiocruz

A vacina deverá ser aplicada após passar por análise preliminar no Instituto Nacional de Controle de Qualidade, ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Integrantes do Consórcio acreditam que esta análise ocorra em uma semana. Qualquer efeito adverso, portanto, será informado em até 24 horas à Anvisa.

Uma das razões para esse detalhado controle de qualidade foi a dúvida de técnicos da Anvisa em relação à presença de um adenovírus replicante na composição da vacina.

O vírus, com capacidade de multiplicação no corpo humano, tornaria o imunizante não recomendado para uso.

Opiniões divididas

A chegada da Sputnik V ao Brasil divide opiniões de especialistas médicos.

A infectologista do Hospital Sírio-Libanês,  por exemplo, Mirian Dal Ben, dconsidera que, quanto mais vacinas chegarem, melhor.

Embora, pondera a especialista, sejam necessários mais estudos em grande escala para detectar efeitos adversos.

Já Rosana Richtmann, da Sociedade Brasileira de Infectologia, acredita que seria melhor esperar:

“Se a Anvisa apresenta restrições sobre a vacina, temos que entender no que se basearam antes de indicar o uso”.

Produção local da Sputnik V  

Embora as vacinas que chegam em uma semana ao Recife sejam produzidas na Rússia — e serão despachadas diretamente de Moscou para o Brasil —, a farmacêutica União Química já terminou um lote inicial com100 mil doses, com qualidade atestada pela Rússia, com insumo farmacêutico ativo (IFA) produzido em uma fábrica no DF.

O processo de transferência de tecnologia começou, portanto, no último trimestre de 2020 e terminou em abril deste ano.

Se o processo de fabricação nacional for autorizado pela Anvisa, a farmacêutica diz poder liberar 8 milhões de doses por mês.

A União Química, que fez um investimento de R$ 300 milhões no imunizante russo, pretende, em 30 dias, pedir, então, pela primeira vez o registro definitivo da vacina.

De acordo com os desenvolvedores, 68 países já aprovaram a Sputnik V, mas nem todos iniciaram sua aplicação.

A saber,  dos países que usou a vacina foi a Argentina, cujo Ministério da Saúde (MS) apresentou recentemente levantamento preliminar, realizado com 400 mil pessoas com mais de 60 anos.

A análise apontou, então, que uma dose da Sputnik V ou AstraZeneca levaria à redução da mortalidade por Covid-19 entre 70% e 80%.

Todavia, outro estudo do governo argentino, não revisado por cientistas independentes, indica que, após uso de 2,8 milhões de doses da vacina russa, não foi identificada morte relacionada ao imunizante.

E a maioria dos efeitos adversos foi leve.

Saiba quem não deve tomar a vacina Sputnik V contra Covid-19 

Fonte: Globo online

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário