Startup testa nanotecnologia para eliminar remédios em cápsulas

Tecnologia deve ajudar pessoas com dificuldade para engolir comprimidos e pode ser usada em cosméticos e suplementos. Processo pode baratear custos dos medicamentos no Brasil

Em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e o Hospital das Clínicas (HC), pesquisadores de uma startup utilizam a nanotecnologia para produzir remédios, sem perdas à ação dos compostos farmacêuticos.

A ideia surgiu após a notícia de um aposentado ter sido hospitalizado porque ficou engasgado com um comprimido. A startup de Ribeirão Preto (SP) viu a notícia e resolveu desenvolver uma técnica capaz de eliminar cápsulas e até produzir colírios que podem ser absorvidos mesmo com as pálpebras fechadas.

Submetida a uma máquina que trabalha com alta pressão, a molécula do princípio ativo – como, por exemplo, a vitamina C – fica um bilhão de vezes menor e pode ser misturada na água ou no suco, facilitando a ingestão pelo paciente.

“Um óleo nutriente, utilizado para prevenção de doenças cardíacas, a gente consegue solubilizar na água. Ele tem um tamanho de partícula bem pequenininho. Isso facilita a ingestão por crianças, idosos e outras pessoas que utilizam”, explica o farmacêutico Gustavo Cadurim.

A startup, financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), acaba de receber a licença da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para desenvolver alimentos, remédios e cosméticos em versão nano. O investimento é de R$ 1 milhão.

Até colírios podem ser borrifados com as pálpebras fechadas, sem perder a eficácia. Cápsulas de ômega três, um óleo encontrado em peixes e indicado para doenças do coração e do cérebro, viram gotas.

“Ele facilita a ingestão por quem não consegue tomar as cápsulas oleosas. Pois, eles podem causar problemas na hora da deglutição. Com essa forma hidrossolúvel, a gente consegue colocar na água ou em qualquer outra bebida” , afirma o farmacêutico.

Outras vantagens da nanotecnologia

Além disso, ainda de acordo com Cadurim, a absorção das substâncias pelo organismo chega a ser dez vezes maior do que a obtida com a ingestão de cápsulas.

De acordo com o CEO da startup, Guilherme Spuri Bernardi, o processo de nanotecnologia deve baratear o custo dos produtos feitos no Brasil.

“Esse investimento que está sendo realizado vai propiciar nossa indústria a trazer tecnologias que só existem lá fora. Dessa forma, barateando o produto para o consumidor final, além de geração de empregos e impostos. É coisa que a gente deixa de importar para fabricar aqui”, diz.

Além disso, a tecnologia da miniatura ajuda a deixar o gosto e o cheiro dos medicamentos mais agradáveis. Os pesquisadores dizem que o processo de fabricação só usa produtos naturais.

Foto: Shutterstock
Fonte: G1

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário