STF decide que apenas o farmacêutico pode ser responsável técnico por farmácias e drogarias

O processo teve início quando o CRF-MG negou a um profissional sem curso superior pedido de inscrição como técnico em farmácia

Em decisão ocorrida ontem (20), o Supremo Tribunal Federal (STF) reafirmou que a responsabilidade técnica em farmácias e drogarias é exclusiva do farmacêutico registrado nos conselhos profissionais, conforme previsão da Lei nº 13.021/14. Ao total, foram seis votos a favor. O processo seguirá para o voto dos outros cinco ministros, mas a maioria já garantiu o direito da população à assistência farmacêutica.

O CRF-MG é parte no processo. Já o CFF e o CRF-SP atuaram como amicus curiae. O presidente do CRF-SP, Dr. Marcos Machado, destaca a importância dos conselhos de Farmácia que contrataram um renomado escritório de advocacia para reforçar a defesa de que somente o farmacêutico pode responder tecnicamente por farmácias. “Parabenizo o CRF-MG pelo desempenho no processo e agradeço o Dr. Walter da Silva Jorge João, presidente do CFF, pelo empenho em conseguir essa vitória. Mais uma vez, a atuação dos conselhos garantiu a defesa do âmbito profissional do farmacêutico e resguardou o direito da população de contar com assistência do profissional”.

Acompanhando o voto do relator, o ministro Alexandre de Morais argumentou que, “não há dúvidas de que farmácias e drogarias são estabelecimentos cujas atividades, quando desempenhadas por profissionais desqualificados, têm o potencial de gerar nocividade à saúde da população, em virtude de serem unidades de prestação de assistência diretamente ligada à saúde”.

Responsável técnico pela farmácia

Alexandre Morais cita em seu voto o parecer da Procuradoria Geral da República (PGR), juntado pela defesa ao processo, segundo o qual “a Lei 13.021/2014, publicada em 11 de agosto de 2014, muda o conceito de Farmácia no Brasil: farmácias e drogarias deixam de ser estabelecimentos comerciais para se transformar em unidades de prestação de assistência farmacêutica, assistência à saúde e orientação sanitária individual e coletiva”. Também acompanharam o voto do relator os ministros Dias Toffoli, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber.

Entenda o caso – O processo em questão teve início quando o CRF-MG negou a um profissional sem curso superior pedido de inscrição como técnico em farmácia para assumir a responsabilidade técnica da sua drogaria, em Contagem. A questão foi judicializada. Em 1º grau, foi assegurado o autor o direito de inscrição no conselho regional. Porém, foi negada a sua assunção à condição de RT. Essa decisão foi mantida pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª região e, posteriormente, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Porém, o técnico apelou ao Supremo, “alegando violação ao trabalho e dignidade humana, à livre iniciativa, à auto-organização, à livre concorrência e à saúde”.

Foto: Shutterstock

Fonte: CRF-SP

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário