fbpx

Tendinite: o que é, causas e tratamentos indicados

Problema pode acometer ombro, cotovelo, punho, joelho e tornozelo de forma aguda ou crônica

Caracterizada como a inflamação ou irritação de um tendão (parte final do músculo, como uma corda fibrosa que faz a fixação dos músculos aos ossos)1, a tendinite costuma comprometer, usualmente, ombro, cotovelo, punho, joelho e tornozelo, e pode ser aguda (história de dor recente – até 45 dias) ou crônica2.

Geralmente, a doença se manifesta pela presença de dor no local, que pode irradiar para toda a musculatura ao redor. A dor pode piorar com o movimento e resultar em diminuição da força2.

Nesta reportagem, será possível entender as causas, formas de diagnósticos, tipos e tratamentos (medicamentosos ou não), além de maneiras de prevenção para a tendinite. Acompanhe!

O que provoca a tendinite? Quais são as causas?

A causa mais comum da tendinite é o trauma local ou excesso de esforço durante trabalho ou atividade física, fenômeno conhecido por “overuse”1.

A doença acontece, primordialmente, se o paciente tem um mau condicionamento físico, má postura, ou usa o membro afetado em uma posição forçada e desajeitada1.

A tendinite ocorre, assim, a partir de um esforço repetido em excesso, causando a inflamação das fibras que unem os músculos aos ossos3. Qualquer pessoa que execute movimentos repetitivos, seja em casa ou no trabalho, são as principais vítimas das lesões de partes moles2.

Contudo, vale reforçar que a tendinite pode ter origem não apenas por conta de exercícios físicos em excesso ou com técnica/material inadequado, como também por conta de doenças autoimunes; predisposição genética; ou alterações constitucionais do colágeno2.

A patologia está relacionada com ocupações e com atividades que exigem esforços repetitivos. São exemplos, os jogadores de vôlei e de tênis, pianistas, dançarinos, operários e profissionais de informática, por exemplo4.

Como diagnosticar a doença?4

Somado a um bom exame clínico, o diagnóstico da tendinite requer não apenas o levantamento da história do indivíduo – que vai evidenciar a prática de movimentos repetitivos – como também a realização de exames complementares de imagem, como radiografia, ultrassonografia e ressonância magnética da região afetada.

Estes exames são capazes de apontar, exatamente, o tendão acometido pela inflamação e o grau da lesão.

Quais são os sintomas?

O sintoma característico da tendinite é a dor. Dependendo de onde a inflamação está localizada, há também sensibilidade da área, inchaço e rigidez3.

Assim, se o paciente já sentiu uma dor forte em alguma articulação, é preciso procurar um ortopedista para que o problema seja diagnosticado e tratado corretamente3.

Os acometidos pela doença também podem sentir espessamento do tendão acometido, vermelhidão, calor local, dificuldade de movimentação e redução da força5.

Também podem aparecer dificuldades em realizar determinados movimentos ou fraqueza muscular5.

Entenda os tipos da doença

1.    Tendinite no ombro

tendinite-no-ombro

Mais comum entre indivíduos com idade entre 40 e 50 anos2, a tendinite no ombro provoca dor em toda a articulação ou em um local específico da região, podendo irradiar para o braço5.

Disfunções no ombro geram dor e redução da mobilidade articular e, em consequência, afetam de forma negativa a capacidade funcional, as atividades laborais e a qualidade de vida das pessoas (MOUSAVI, et. al, 2008)6.

Os sintomas se intensificam ao realizar movimentos que envolvem os ombros, como levantar os braços. Desse modo, também é recorrente a diminuição da força muscular local5.

Para descobrir a causa da dor no ombro, o exame físico realizado pelo médico é o mais importante. Por meio dele será possível identificar a localização da dor, o grau de limitação da movimentação e a presença de crepitações, conhecidas popularmente por ‘estalos’7.

Caso seja necessário, o médico também pode solicitar exames complementares, como raio x, ultrassom e ressonância magnética7.

O tratamento inicial da tendinite do ombro tende a ser conservador e, geralmente, melhora com o uso de medicamentos prescritos pelo médico, fisioterapia bem executada e mudança de atividades que envolvam o braço acima da cabeça8. Se a dor for intensa ou refratária, também podem ser realizadas infiltrações com corticoide no ombro8.

2.    Tendinite patelar (no joelho)9

tendinite no joelho

A tendinite patelar, também conhecida como joelho do saltador, geralmente atinge atletas com atividades que requerem a extensão súbita do joelho, como corrida, salto e chutes, levando a microtraumas no tendão patelar.

A dor após a prática esportiva é um sintoma recorrente em casos de tendinite patelar e os sinais tende a desaparecer com o repouso. Contudo, casos mais graves podem levar à incapacidade total do mecanismo extensor do joelho e até ruptura do tendão patelar.

O diagnóstico da doença é basicamente clínico, entretanto, o médico pode solicitar radiografia, cintilografia, ultrassom e tomografia computadorizada para confirmar o quadro.

A ressonância magnética é o exame de escolha, por possibilitar a localização exata e objetiva da lesão.

Inicialmente, o tratamento é conservador, priorizando o afastamento da atividade física e repouso. Também podem ser usados anti-inflamatórios não hormonais e fisioterapia.

3.    Tendinite no quadril10

A dor lateral no quadril é extremamente recorrente, envolvendo dois casos a cada mil pacientes. Em 80% dos quadros, os pacientes são do sexo feminino, acima dos 50 anos de idade.

O sintoma mais comum é dor ao dormir de lado sobre o quadril inflamado. Nesses casos, o paciente pode sentir queimação e desconforto, impedindo a permanência nessa posição por período prolongado e podendo acordar o paciente.

A sensibilidade da região pode ser desencadeada com esforços, como andar, sentar e levantar, subir e descer escadas. Igualmente, a sensação de fraqueza pode ocorrer após longos períodos com dor e limitação funcional.

Casos extremos podem levar ao rompimento parcial ou total dos tendões, que geram, como consequência, alterações do caminhar (“mancar”).

O diagnóstico é feito por meio de avaliação clínica, contudo, exames de imagem, como radiografias, ultrassom e ressonância magnética, podem ser solicitados.

O tratamento é inicialmente clínico e inclui repouso, aplicação de gelo, uso de analgésicos e anti-inflamatórios.

A fisioterapia pode ser usada não apenas para alívio da dor com aparelhos, como também para fortalecer e reequilibrar a musculatura.

4.    Tendinite no pulso

tendinite no pulso

Caracterizada como uma inflamação dos tendões localizados na articulação do pulso, esse tipo de tendinite é considerada uma Lesão por Esforço Repetitivo (LER), ocorrendo, frequentemente, devido ao uso frequente da região11.

Além da dor no pulso, a doença pode trazer, inchaço ao redor da articulação local, calor e vermelhidão dos tendões e sensações de moagem (crepitação) com o movimento dos tendões11.

O tratamento para a tendinite no pulso pode envolver repouso, gelo, analgésicos, fisioterapia e, em alguns casos, injeções de esteroides12.

5.    Tendinite do calcâneo – Tendinite de Aquiles ou no pé13

Também conhecido como tendão de Aquiles e descrito popularmente como tendinite no pé, o tendão do calcâneo é um dos mais fortes do corpo.

Constituído pela musculatura posterior da perna, ele é essencial para atividades como caminhada e corrida, arrancadas e também atua na absorção do impacto após saltos.

Desse modo, a inflamação do tendão de Aquiles (tendinite do Aquiles) é uma queixa recorrente em corredores, saltadores e indivíduos que praticam atividade física somente nos finais de semana.

Entre os sintomas, da tendinite do calcâneo está a dor local, associada e edema e aumento de volume na região.

É comum que a dor se intensifique após a atividade física e que exista um incômodo importante ao levantar da cama. Em contrapartida, quando o processo inflamatório é intenso, pode ocorrer dor mesmo em repouso.

6.    Tendinite na mão14

Primordialmente, ocorre por conta da sobrecarga do tendão por uso repetitivo em excesso. Dessa maneira, são formados microtraumas que acontecem diversas vezes e provocam a inflamação do local.

Esse fator, atrelado não apenas à falta de alongamento, como também de cuidados com a região agrava os casos, podendo ocasionar a cronicidade da doença.

Nesse sentido, a tendinite na mão está relacionada, assim, às Lesões por Esforço Repetitivo (LER). Essas lesões ocorrem em trabalhadores que utilizam repetidamente o mesmo movimento das mãos, como por exemplo dentistas, pintores e pessoas que passam longos períodos digitando.

O principal sintoma de pacientes que apresentam quadros de tendinite na mão é a dor local, que, igualmente, pode irradiar para os músculos ao redor.

Além disso, podem ocorrer não apenas formigamentos – sensação de mão dormente –, como também fraqueza na hora de segurar/manipular objetos, inchaço e vermelhidão.

Primordialmente, nos casos agudos, com crises isoladas ou únicas, o tratamento inclui repouso, aplicação de gelo e uso de remédios (anti-inflamatórios via oral ou em pomadas, por exemplo).

Como é feito o diagnóstico da tendinite?13

Com a história e exame físico detalhados feitos pelo médico, já é possível o diagnóstico.

Alguns exames de imagem, como ultrassom e ressonância magnética, podem auxiliar na confirmação do diagnóstico e na avaliação da gravidade da lesão.

Como tratar a tendinite?2

O tratamento da tendinite é dividido de acordo com o grau da doença, em medidas para aliviar a dor, atitudes para evitar que a dor volte e tratamento medicamentoso.

O tratamento para o grau 1 é conservador, com fisioterapia e fortalecimento.

Para o grau 2, o tratamento conservador precisa estar associado ao uso de medicações (anti-inflamatórios e analgésicos) prescritas pelo médico. Já o grau 3 exige cirurgia.

A fisioterapia, além de ser parte do tratamento, também pode ser usada como prevenção. Mas, até o grau 2, a fisioterapia é imprescindível para a melhora clínica do paciente, inclusive nos casos pós-cirúrgicos causados pela ruptura total do tendão.

Tratamento multidisciplinar para a doença2

São diversas especialidades da fisioterapia que podem auxiliar no tratamento. Entre elas, pode-se citar a traumato-ortopédica, fisioterapia manipulativa, cinesioterápica, do esporte, terapia manual, eletrotermofototerapia, hidroterapia e acupuntura.

Na fase aguda, pode ser necessário até mesmo restringir os movimentos da área afetada. Além disso, o uso de anti-inflamatórios hormonais e não hormonais pode ser necessário, lembrando que ainda pode-se lançar mão de medidas como terapia ocupacional e fisioterapia.

Em casos mais graves, como na ruptura do tendão, a cirurgia é parte do tratamento.

Como prevenir a tendinite antes da inflamação chegar?15

alongamento para prevenção

1.    Programar pausas regulares entre as atividades rotineiras

Quando é impossível realizar os movimentos repetitivos, o ideal, dessa forma, é programar pausas regulares para deixar os tendões descansarem.

O período de pausa pode ser usado não apenas para realizar alongamentos da região comprometida, como também para estimular a circulação.

2.    Praticar exercícios físicos com acompanhamento de um profissional

A saber, um profissional habilitado poderá indicar exercícios específicos para proteger os tendões. A ideia, nesse sentido, é que os músculos sejam fortalecidos.

3.    Realizar alongamentos diariamente

Na prática esportiva e de exercícios, é essencial não apenas aquecer, como também alongar devidamente o corpo antes da atividade.

Além disso, é recomendado que se reduza, gradativamente, o ritmo e que o alongamento seja repetido. Desse modo, a tensão é eliminada e não há paradas bruscas.

4.    Utilizar equipamentos específicos para prevenir a tendinite

Existem produtos e equipamentos que podem ser utilizados para proteger os tendões durante práticas esportivas e atividades. Nesse sentido, entre eles, estão as luvas ortopédicas, palmilhas, tornozeleiras, entre outros.

5.    Ficar atento ao ambiente de trabalho

Para pessoas que trabalham sentadas por muitas horas e usam computadores, mouses, teclados e monitores adaptados ajudam a evitar que o corpo trabalhe demais.

Além disso, é recomendável investir em uma cadeira confortável e que deixe, assim, a postura correta.

6.    Ter bons hábitos de vida

Deve-se praticar uma alimentação saudável e uma dieta balanceada para evitar não apenas o sobrepeso, como também para que o corpo se mantenha nutrido pelas vitaminas que precisa, e evitem-se complicações.

Quais as diferenças entre a bursite e a tendinite?16

A tendinite é uma inflamação do tendão provocada por agentes químicos ou mecânicos. Esta lesão provoca, dessa forma, dores, dificuldades de movimentação articular e inchaço, seguidos de vermelhidão.

Já a bursite é a inflamação da bursa, uma bolsa que age como um “amortecedor”, diminuindo o atrito entre os músculos, tendões e ossos no entorno das articulações. Primordialmente, dores e dificuldade de locomoção da área atingida são os principais sintomas.

Qual a incidência da tendinite?2

Segundo dados obtidos pela Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, cerca de 30% a 40% de todos os atendimentos em ambulatórios e centros de dor se referem a afecções musculoesqueléticas, e as tendinites compõem esses dados.

Quais são os fatores de risco?13

Alguns fatores podem predispor esta inflamação, como pé cavo, sobrepeso, pessoas com alongamento ruim, atividades repetitivas de impacto.

Conclusão

A tendinite costuma comprometer, usualmente, ombro, cotovelo, punho, joelho e tornozelo, podendo ser aguda (história de dor recente – até 45 dias) ou crônica.

É caracterizada como a inflamação ou irritação de um tendão (parte final do músculo, como uma corda fibrosa que faz a fixação dos músculos aos ossos).

Segundo dados obtidos pela Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, cerca de 30% a 40% de todos os atendimentos em ambulatórios e centros de dor se referem a afecções musculoesqueléticas, e as tendinites compõem esses dados.

Contudo, a doença tem uma série de opções de tratamento que podem ser feitos, inclusive, de forma multidisciplinar, com o auxílio de um especialista, e via medicamentos anti-inflamatórios.

Há, inclusive, práticas de prevenção, como controle do peso com hábitos de vida saudáveis, evitar a repetição de movimentos, e realizar alongamentos diariamente. Ao persistirem os sintomas, o médico deve ser consultado.

Referências

1.    Portal da Sociedade Brasileira de Reumatologia

2.    Portal Guia da Farmácia, matéria “Como vencer a dor da tendinite”

3.    Blog Dr. Consulta

4.    Portal Fleury – Medicina e Saúde

5.    Portal Médico Responde

6.    MOUSAVI, S. J., PARNIANPOUR, M., ABEDI, M., ASKARY-ASHTIANI, A., KARIMI, A., KHORSANDI, A.. Cultural adaptation and validation of the Persian version of the Disabilities of the Arm, Shoulder and Hand (DASH) outcome measure. Clinical Rehabilitation. v. 22, n. 8, p. 749-757, 2008.

7.    Portal do Hospital Sírio-Libanês

8.    Portal Doctoralia

9.    Artigo “Tendinite patelar: resultado do tratamento cirúrgico”, da Revista Brasileira de Ortopedia

10. Portal do Hospital Israelita Albert Einstein

11. Portal OrtopediaBR

12. Hospital Israelita Albert Einstein/Google

13. Portal do Hospital Israelita Albert Einstein

14. Portal Ortesp

15. Portal Salvapé

16. Material de divulgação para a imprensa da HTM Indústria e Equipamentos Eletro-Eletrônicos

Fotos: Shutterstock

Ibuprofeno: o que é, indicações e como usar para dor e febre

 

8 Comentários

  1. Avatar
    CICICLÉIA OLIVEIRA em

    Bem esclarecedora as informações, me ajudou a entender melhor sobre tendinite!

  2. Avatar
    Vanessa Ferreira terra em

    Minha cabeça dói também e o braço será que faz parte da tendinite os médios disse que e tendinite mas não entendo o pq a cabeça dói também tipo uma queimação.? Alguém sabe dizer

  3. Avatar

    Em geral, qual antiinflamatório usa-se nos casos dá tendinite do tendão de Aquiles? Alguém poderia me ajudar, por favor… começou do nada a dorzinha incomoda tem 15 dias já… por favor alguém… obg

  4. Avatar

    A vários meses tenho doer forte no braço esquerdo, localizado no ombro e mãos, agora foi o braço todo.
    Procurei um médico duas vezes e ele só passa Ibuprofeno, percebo que so alivia a dor, e meu estômago está ruim também.
    O que devo fazer.

  5. Avatar
    Deysi tatiane flor da silva em

    Ola. Precisaria de ajudar sou costureira estou afastada por 60 dias por causa da pandemia. Mas ontem comecou uma dorzinha na mao prox ao dedao isso ontem a tarde como estou parada estou fazendo mascaras p vender mas ontem a noite comelou no pulso e em cima da mao. Ñ dormi a noite inteira massagiei varias vezes mas ñ alivia o q posso tomar p aliviar a dor. Tenho receio de ir no PA por causa do covid19. Poderiam me ajudar?

    • Avatar
      christian em

      Usa alguma pomada para tendinite ou artrose, qualquer farmacia tem, já ajuda.

  6. Avatar

    Para mim nada do que foi dito e explicado encaixou.
    Tenho tendinite no tornozelo direito Não sou jogadora, atleta, não faço exercícios repetitivos e tenho 70 anos
    Começou eu acordando pela manhã com dor no pé direito.Mexia um pouco para conseguir pisar no chão. Como se estivesse adormecido e isso começou no começo de outubro de 2019.No dia 15/10, não conseguia por o pe6no chão. Fui aos médicos da Prevent e indicaram fisioterapia, mas não curou.Desinchou um pouco e depois de meses,comecei a acordar com dor no tendao do pé esquerdo. Ou seja,do nada! É essas fisioterapia são palhativas, não resolve nada.Acho que estou sendo tratada de forma errada e não se foi atrás da causa que não é nenhuma das que vcs disseram.E alguma coisa interna.Tenho condromalacia de patela é artrose gostaria de ter um bom atendimento e resolver isso de forma correta.Estou há 9 meses nessa situação é sem solução. Pediria ajuda de um especialista em Tendinite.Aconteceu também de ficar com o pé chato, sem curva, deitado para dentro

  7. Avatar
    Darleia lazarin em

    Estou com linfonodo axilar alimentado e com dor radiante Pr o braço todo queima muita dor no punho também

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: