Trabalhar ‘demais’ mata 745 mil pessoas por ano no mundo

Brasil está entre países que têm até 4% da população exposta a longas jornadas

Um dos reflexos da pandemia mostra que trabalhar “demais” mata milhares de pessoas por ano, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O primeiro estudo global do tipo revela que 745 mil pessoas morreram em 2016 de derrame e doenças cardíacas relacionadas a longas horas de trabalho.

O relatório mostra ainda que as pessoas que vivem no Sudeste Asiático e na região do Pacífico Ocidental são as mais afetadas.

E a OMS avalia que a tendência pode piorar devido à pandemia do coronavírus.

O Brasil está na faixa de países que têm até 4% da população exposta a longas jornadas de trabalho (55 horas ou mais por semana).

Isso coloca o país entre os menos afetados por jornadas exaustivas do mundo.

A saber, nos países onde o problema é mais grave, esse percentual chega a atingir mais de 33% da população.

O estudo, realizado em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT ), também mostrou que quase três quartos dos que morreram em consequência de longas jornadas de trabalho eram homens de meia-idade ou mais velhos.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário