Tristeza, insônia, irritação, angústia e crises de choro são sintomas recorrentes na pandemia

Pesquisa inédita também apontou que os jovens foram mais afetados e metade classificou sua saúde mental como ruim (39%) ou muito ruim (11%)

O novo coronavírus impôs um desafio adicional à Covid-19: o enfrentamento das doenças relacionadas à saúde mental. Um levantamento inédito do Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec), a pedido da Pfizer Brasil, mostrou o quanto os brasileiros foram impactados pela pandemia. Tristeza (42%), insônia
(38%), irritação (38%), angústia e/ou medo (36%), além de crises de choro (21%) foram os cinco sintomas mais citados pelos entrevistados.

Outro importante achado revelou que o jovem foi mais afetado do que outras faixas etárias, segundo relatos captados pela pesquisa.

Metade dos respondentes entre 18 e 24 anos classificaram sua saúde mental durante a pandemia como ruim (39%) ou muito ruim (11%). Esse percentual ficou acima da média geral, de 5% e 25%, respectivamente.

O levantamento “Saúde Mental na Pandemia”, realizado em agosto deste ano, entrevistou de forma online 2000
homens e mulheres (de 18 anos ou mais) na cidade de São Paulo e também nas regiões metropolitanas de Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e Salvador.

“Este é um cenário que vem sendo apontado desde março de 2020 e, por isso, merece acompanhamento diário de todos nós, já que continuamos no enfrentamento da pandemia. Obtivemos muitos avanços com o desenvolvimento e com a aplicação da vacina, mas sabemos a diretora Médica da Pfizer Brasil, que precisamos olhar para o corpo e para a mente já que a Covid-19 causou e causa marcas em todos nós”, explica a Diretora Médica da Pfizer Brasil, Márjori Dulcine.

Diagnóstico e maiores medos

Dos entrevistados, 21% chegaram a procurar ajuda profissional no período, sendo que 11% estão em acompanhamento, então, especializado.

Ansiedade (16%) e depressão (8%) lideram a relação das condições diagnosticadas de forma mais recorrente, em que também aparecem doenças como a síndrome do pânico (3%) e a fobia social (2%).

Além do relato dos próprios respondentes, questionados se conheciam alguém que foi diagnosticado com algum problema relacionado à saúde mental durante a pandemia.

46% disseram que sim; as cidades de São Paulo e Belo Horizonte registraram o mesmo percentual, de 49%, seguidos de 47% em Salvador, 44% no Rio de janeiro e  37% em Curitiba.

“Esses dados, infelizmente, representam a escalada assustadora dos agravos à saúde mental que vêm ocorrendo nas últimas décadas em nosso país, e que foi alavancada pela pandemia da Covid-19. Nesse sentido, esses índices colocam as estratégias para ampliação dos cuidados em saúde mental como prioridade inegável. Devemos concentrar esforços para oferecer diagnósticos mais precoces e tratamentos adequados. Mais do que isso, devemos desenvolver e implementar ações efetivas de prevenção. Essas ações são de responsabilidade não só do poder público e das entidades dos profissionais ligados a saúde mental, mas também de toda a comunidade, começando pela diminuição do estigma relacionado aos transtornos mentais“, diz o psiquiatra do HSPE/IAMSPE e pesquisador do departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) , Dr. Michel Haddad.

Tratamento e sintomas durante a pandemia

Dos entrevistados que foram diagnosticados ou fizeram algum tratamento desde o início da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Já 31% têm seguido tratamento com profissional de forma presencial e 17% por consultas online.

Além disso, 29% também afirmam estar com medicação de prescrição.

Como forma de atenuar o impacto psicológico, 56% responderam que fazem algum tipo de atividade para melhorar sua saúde mental.

Sendo, portanto, a prática exercícios físicos regulamente ao ar livre (19%) ou em casa (18%) e a leitura de livros (17%), as mais citadas.

Já entre os canais informativos sobre o tema, as redes sociais foram apontadas como o principal por 22%, enquanto veículos de comunicação (rádio, TV, revista, jornal e internet) e profissionais de saúde foram por 17%, cada um.

Saúde mental e situação financeira

Quatro em cada cinco respondentes (79%) declaram que a pandemia impactou sua saúde mental de alguma forma.

E se engana quem pensa que apenas fatores relacionados diretamente à Covid-19 foram os responsáveis.

A situação financeira difícil ou o acúmulo de dívidas preocupou a maioria (23%) das pessoas ouvidas durante a pesquisa.

Esse receio é equilibrado entre as cinco regiões pesquisadas.

Curitiba teve o índice de 26%, seguida por São Paulo e Rio de Janeiro com 23%, Salvador com 22% , já Belo Horizonte com 21%.

Porém, é possível observar que essa preocupação foi maior entre os mais jovens.

Sendo citado por 26% daqueles que têm de 18 a 24 anos, 24% entre os de 25 e 44 anos, por 22% na faixa de 45 a 54, chegando, portanto, a 19% entre os respondentes com 55 anos ou mais.

Na sequência, apareceram o medo de pegar Covid‐19 (18%) e a morte de alguém próximo (12%).

Assim como a apreensão com a situação financeira, esses últimos também foram, portanto, relatados majoritariamente pelas mulheres.

Duas condições relacionadas ao suicídio – ansiedade (16%) e depressão (8%) – lideraram, portanto, os relatos dos entrevistados sobre os diagnósticos mais recorrentes na pesquisa.

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), transtornos mentais como esses estão, portanto, relacionados a aproximadamente 96,8% dos cerca de 12 mil casos anuais de suicídio no Brasil.

Dessa maneirano levantamento, 35% dos respondentes afirmaram conhecer alguém que tirou a própria vida, independentemente do diagnóstico de uma condição associação à saúde mental.

E são 73% aqueles que reconhecem as campanhas informativas e de conscientização como uma das formas de reduzir, portanto, o preconceito em relação aos transtornos mentais.

Bem como a criação de programas escolares que discutam o assunto desde cedo com as crianças, apontado certamente por 63%.

Não às fake news

Todavia, a  pesquisa “Saúde Mental na Pandemia” também demonstrou, contudo, que a maioria dos brasileiros tem clareza do que é verdadeiro e falso sobre saúde mental:

  • 97% afirmaram que problema de saúde mental não é frescura.
  • 79% acreditam que as doenças relacionadas à saúde mental são silenciosas e de difícil identificação sem ajuda médica.
  • 86% reconhecem não ser possível resolver sozinho um problema de saúde mental.
  • 84% entendem que as doenças relacionadas à saúde mental não atingem, por exemplo, necessariamente mais idosos do que adultos e jovens.
  • 90% discordam, portanto, da crença de que suicídio só acontece com pessoas de personalidade fraca.

Fonte: Pfizer

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário