Um em cada cinco diabéticos não sabe o tipo da própria doença

Pesquisa entrevistou, via internet, 600 pessoas

Uma nova pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), mostra que 18% dos diabéticos não sabem o tipo que têm. No total, são 13 milhões de afetados no País.

O tipo 1, também conhecido como juvenil, é aquele diabetes em que a produção de insulina está prejudicada pela morte das células do pâncreas que a sintetizam.

O tipo 2 é aquele no qual a resposta do organismo à insulina vai perdendo eficácia. O hormônio é responsável por fazer as células captarem o açúcar do sangue (é hipoglicemiante). É necessário um fino ajuste no nível de glicose para que o organismo possa, ao mesmo tempo, armazenar essa fonte de energia e não sofra com seus excessos –como dano em nervos, impotência e aumento de chance de acidentes vasculares como infarto e AVC.

Uma explicação possível para esse alto nível de 18% de desconhecimento seria a de que a maior parte dessas pessoas tem diabetes tipo 2. Isso porque quando se tem diabetes juvenil a pessoa já é acostumada com injeções de insulina e também a explicar para todo mundo por que o diabetes dela não é causado pela obesidade ou pelos maus hábitos de vida.

Doenças

A nova pesquisa do Ibope entrevistou, via internet, 600 pessoas de seis Estados do País. Metade delas era de São Paulo e tinham, na média, 37 anos. Outras 145 pessoas, diabéticas, também participaram (média de 41 anos e notadamente de classes sociais mais elevadas e escolarizadas).

Uma das questões pedia para os participantes compararem o diabetes a outras doenças, como obesidade. Veja os resultados:

O perfil geral é o mesmo, mas é possível notar um pouco mais de preocupação dos diabéticos em relação a outras doenças (talvez porque tenham conseguido controlar adequadamente o diabetes com drogas e dieta).

Medo

A pesquisa também avaliou o conhecimento das consequências do diabetes entre as duas amostras. Os diabéticos tendem a saber mais que a doença pode acarretar impotência sexual, perda de memória e problemas renais.

A consequência mais “famosa” do diabetes são as amputações de membros, conhecidas igualmente por 86% das duas amostras. E também são as amputações as líderes em uma escala de preocupação de quem tem diabetes, junto com o medo de ficar cego:

O pouco medo da doença cardíaca preocupa. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), o risco de morrer por algum problema cardiovascular é quatro vezes maior em quem tem diabetes tipo 2. O diabetes também é a maior causa global de insuficiência renal do mundo –de 20% a 40% dos diabéticos a desenvolvem. A pesquisa do Ibope integra as ações de uma campanha que tem início hoje, 30, e tem por objetivo específico de conscientizar sobre o impacto do diabetes nos rins e no coração.

 

Foto: Shutterstock 

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário