Vacina AstraZeneca: estudo diz que 3ª dose ou maior intervalo entre 1ª e 2ª ampliam imunidade

Dose de reforço (que não é usada atualmente) amplia resposta imune em seis vezes. Já o intervalo de 45 semanas entre a 1ª e a 2ª doses aumentou a resposta imune em até 18 vezes

Um estudo divulgado nesta segunda-feira (28) pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, mostrou que a vacina contra a Covid-19 desenvolvida em conjunto com o laboratório AstraZeneca registrou aumento da resposta da imunidade com a aplicação de uma terceira dose, que atualmente não está prevista no esquema de vacinação.

A mesma pesquisa também apontou que a ampliação do intervalo entre as duas doses atualmente previstas também amplia a proteção oferecida pela vacina.

Em relação à terceira dose, os dados mostraram que o reforço, dado pelo menos seis meses após a segunda dose, foi capaz de aumentar a resposta imune em até seis vezes e ainda de manter a produção dos chamados linfócitos T.

Os pesquisadores ressaltam, entretanto, que os dados de efetividade NÃO indicam, por enquanto, a necessidade do reforço, sobretudo diante da escassez de vacinas na maioria dos países.

Apesar disso, o governo britânico estuda se haverá a necessidade de uma campanha de reforço da vacinação no outono.

Outro ponto citado no estudo é que a terceira dose aumentou a atividade neutralizante contra as principais variantes do novo coronavírus no Reino Unido, a alfa (inglesa), beta (sul-africana) e delta (indiana).

Imunidade da vacina da AstraZeneca

A pesquisa aponta que um intervalo estendido de 45 semanas (cerca de 11 meses) entre as primeiras duas doses da vacina aumentou a resposta imune em até 18 vezes, 28 dias após tomar a segunda dose.

A AstraZeneca fala que o intervalo maior mostra que uma demora na aplicação não afeta o efeito da vacina no corpo.

No Brasil, atualmente é utilizado um intervalo de 12 semanas (três meses) entre as doses da vacina.

Nature e vacinas de RNA mensageiro

Outro estudo, também publicado hoje na revista Nature, mostrou que as vacinas de RNA mensageiro desenvolvidas pela Moderna e Pfizer/BioNTech podem desencadear, então, uma resposta imunológica persistente que garantiria uma proteção a longo prazo contra a doença.

A pesquisa, realizada com 41 pessoas mostra que, caso a evolução de variantes não mude significativamente, não seria necessário aplicar doses de reforço nas pessoas que receberam esses imunizantes.

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário