Intolerância ao glúten: vacina para doença celíaca está em fase de testes

Por enquanto, única forma de tratamento é a dieta sem glúten duradoura

A indústria farmacêutica norte-americana ImmusanT anunciou que está iniciando a fase 2 de testes para a criação de uma vacina para doença celíaca. “Atualmente, não existem terapias modificadoras da doença para essa condição, e a única solução para os pacientes é a adesão estrita a uma dieta vitalícia e sem glúten. Nossa esperança é que, ao ajudar a restaurar a tolerância imunológica ao glúten, o Nexvax2 melhore a qualidade de vida e previna as sérias complicações da exposição crônica ao glúten em pacientes com doença celíaca. O desenvolvimento do Nexvax2 se alinha à nossa visão estratégica de transformar a forma como os pacientes com doenças autoimunes são tratados”, disse o diretor executivo da ImmusanT, Leslie Williams.

Administrado como uma injeção subcutânea, o Nexvax2 concluiu vários ensaios clínicos de Fase 1b, que forneceram dados que dão suporte à segurança e tolerabilidade, bem como à prova de mecanismo e eficácia. “Utilizando um novo painel de marcadores imunológicos associados à doença celíaca, identificado nos primeiros estudos clínicos, podemos acompanhar tanto os sintomas agudos quanto a resposta inflamatória subjacente após a exposição ao glúten. Isso ajuda a monitorar a eficácia do Nexvax2 na alteração do processo da doença. Temos grandes esperanças de que a imunomodulação com Nexvax2 possa ajudar a maioria dos pacientes celíacos a viverem sem medo da exposição inadvertida ao glúten e problemas de saúde associados”, projeta o diretor médico da ImmusanT, Ken Truitt. A Fase 2 do ensaio pretende inscrever aproximadamente 150 pacientes nos Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia.

Entenda a doença celíaca

A doença celíaca é uma patologia inflamatória crônica do intestino, mediada por células T, causada por uma reação auto-imune às proteínas do glúten da dieta em indivíduos geneticamente suscetíveis. Quando uma pessoa com doença celíaca consome proteínas do glúten em trigo, centeio e cevada, o sistema imunológico do indivíduo responde inadequadamente, causando ativação imunológica e sintomas digestivos agudos. Em última análise, essa reação à exposição contínua ao glúten causa inflamação crônica do intestino delgado e compromete sua capacidade de absorver nutrientes no corpo.

A doença celíaca está se tornando cada vez mais prevalente, e estima-se que, atualmente, atinja entre 2 e 3 milhões de americanos e 1% da população mundial. Com um número crescente de pacientes diagnosticados, há uma necessidade crescente de tratamentos melhorados. A única intervenção atualmente disponível é uma dieta sem glúten duradoura (GFD). Enquanto a GFD reduz a inflamação intestinal, mesmo pequenas quantidades de glúten ainda podem desencadear uma reação imunológica com sintomas que podem ser mais pronunciados do que antes da GFD. A enfermidade também impõe um fardo significativo, prejudicando a qualidade de vida e pode ser difícil de acompanhar, pois mesmo quantidades mínimas podem desencadear uma reação imunológica.

Fonte: Guia da Farmácia
Foto: Shutterstock

OMS lista as 10 maiores ameaças à saúde global em 2019

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário