Vacinação em adolescentes contra meningite é fundamental para quebrar o ciclo de transmissão da doença no Brasil

Recém incorporada ao Programa Nacional de Imunizações, vacinação oferece proteção ampliada contra a meningite para adolescentes de 11 e 12 anos

O mês de abril é também marcado pelo Dia Mundial da Meningite, comemorado no último dia 24.

A data que tem por objetivo reforçar a importância da prevenção e diagnóstico ágil para evitar as complicações dessa grave doença.

Ela é fatal em 5 a 15% dos casos e deixa sequelas irreversíveis em até 20% dos pacientes.

A meningite meningocócica é caracterizada pela inflamação da membrana que recobre o cérebro e a medula espinhal (meninge), sendo causada pela bactéria Neisseria meningitidis (meningococo).

Considerada uma doença endêmica grave no Brasil, a enfermidade pode ser assintomática ou provocar sintomas graves, com rápida evolução.

Dessa maneira, a vacinação é a forma mais recomendada e eficaz para evitar a doença.

De acordo com dados do Ministério da Saúde (MS), mais de 50% dos casos de meningite no Brasil entre 2015 e 2019 ocorreram em indivíduos maiores de 15 anos.

Em 2020, por exemplo, de acordo com o número de casos notificados do DataSUS, esse índice chega a 55%.

Essa tendência de contágio está diretamente ligada ao perfil do público adolescente, que pode chegar a 20% dos portadores assintomáticos do meningococo.

E, por não manifestar sintomas, acaba infectando outras pessoas e representando, assim, uma ameaça para a proteção de populações mais vulneráveis ou que ainda não completaram o esquema vacinal, ou não fizeram a dose de reforço.

Vacinação contra a meningite

Esta vacina foi incorporada ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) brasileiro no ano de 2020.

E é direcionada para adolescentes de 11 a 12 anos, a vacina ACWY protege contra quatro diferentes sorogrupos de meningococo.

O imunizante funciona como uma proteção estendida para evitar novos casos de meningite, complementando a vacinação contra o sorogrupo C que é administrada na primeira infância (aos 3, 5 e 12 meses).

Dessa maneira, a mudança representa, então, uma grande conquista para o combate à meningite no País.

Estamos falando de uma inclusão que deve propiciar a diminuição significativa da circulação dessa doença grave no Brasil. Por isso é tão importante que as famílias dos adolescentes busquem pela vacina nos postos de saúde. Nós temos acesso a um dos maiores Programas de imunização do mundo e precisamos fazer proveito disso mantenho a carteira de vacinação em dia.”, explica o presidente do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Marco Aurélio Sáfadi.

Butantan, Sanofi Pasteur e Turma da Mônica se unem em campanha de apoio à vacinação 

Fonte: Sanofi

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário