Varejo deve focar em realização, bem-estar e realidade virtual para atrair consumidor

A maneira como as pessoas se sentem terá um impacto maior sobre a maneira como elas gastam. Veja no relatório "Future Consumer 2023"

O varejo que quer atrair o consumidor nos anos que estão por vir deve estar atento a tendências como venda de produtos por encomenda, a gamificação de experiências e a promoção de bem-estar.

As marcas devem se adaptar a clientes que ocupam dois espaços em tempo integral: a casa física e o mundo digital.

É o que mostra o relatório “Future Consumer 2023”, realizado pela consultoria WGSN a partir de pesquisas feitas com pessoas do mundo todo nos últimos meses.
“À medida que quebramos os limites entre o comércio físico e o digital, as marcas devem se adaptar rapidamente. Se você não encontrar seus clientes onde eles estão, outra pessoa o fará”, alerta a diretora de Insight da WGSN, Andrea Bell.

Contudo, um ano após o início da pandemia de Covid-19 e da reformulação compulsória dos negócios, as empresas agora estão buscando oportunidades no rescaldo das incertezas que ainda pairam no ar.

Assim, a percepção do consumidor sobre produtos e experiências mudou, redefinindo, dessa maneira, o consumo global e as prioridades.

De acordo com o relatório, os efeitos da sobrecarga emocional e do anseio por dias melhores ainda ressoarão em 2023.

Ações necessárias desde já

A forma como as pessoas se sentem terá um impacto maior sobre a maneira como elas gastam.

Para as empresas, nunca foi tão importante o alinhamento às necessidades e aos desejos do consumidor para garantir que os produtos que eles vão priorizar sejam criados.

O “Future Consumer 2023” destaca as ações necessárias desde já para ir ao encontro dessas expectativas.

Assim, o relatório divide os consumidores em quatro perfis:

  • os “profetas” (que desejam estabilidade e segurança depois da incerteza econômica, da fadiga emocional e de uma noção distorcida do tempo);
  • os “novos românticos” (que têm uma profunda necessidade de se reconectar com suas emoções).
  • os “impossíveis” (um grupo de ativistas que busca reconstruir tudo de forma melhor).
  • e os “condutores” (consumidores em busca de emoção e de “momentos altamente sensoriais”).

Cativar  o consumidor

O documento também traça as estratégias necessárias para envolver esses consumidores.

Para os profetas, por exemplo, tendem a fazer sucesso iniciativas relacionadas a encomendas e produtos feitos sob medida.

A saber, os “novos românticos” valorizam rituais e higiene emocional; os “impossíveis”,  venda direta ao consumidor e oportunidades de investimento em negócios; já os “condutores” gostam do varejo gamificado e de espaços em que podem se comunicar, jogar, comprar, aprender e trabalhar.

Varejo está atento às tendências para atrair consumidor

Ainda de acordo com Andrea Bell, o varejo já está atento a essas tendências.

“A previsão é de que essas estratégias estejam massificadas em 2023, mas já podemos ver estágios iniciais de investimento dependendo da região.”

Uma previsão em particular continuou a crescer: a ascensão do metaverso e dos mundos virtuais.

“A WGSN vinha rastreando ‘terceiros espaços’ por um tempo e previu que as gerações pré-pandêmicas, mais jovens, incluindo a Geração Z, gravitariam e comprariam em mundos de marca ou experienciais”, diz Bell.

“Estamos em 2021 e várias marcas estão testando essa estratégia. Da recente experiência de Realidade Virtual da Bvlgari para lançar sua mais nova fragrância masculina até a criação, pela Pangaia, de um microsite para transportar clientes para a região selvagem da Antártica, esses metaversos estão impulsionando o comércio eletrônico.”

Andrea Bell ainda cita outros exemplos:

“O Shopify relatou que as interações com conteúdo de Realidade Aumentada e microsites resultaram em uma conversão 94% maior. O lançamento de 5G e 6G, por exemplo, continuará a suavizar a experiência e aumentar a aceitação do consumidor. Esta é realmente a ponta do iceberg, pois existem infinitas possibilidades de entretenimento.”

Soluções para o estresse

Outra tendência acelerada é a da encomenda de produtos.

“Os consumidores procuram ativamente marcas que tenham esse serviço. Um dos maiores impulsionadores da fidelidade do cliente é a disponibilidade de estoque. As encomendas são, portanto, uma forma de eliminar a ansiedade e oferecem uma alternativa sustentável para o excesso de produção e estoque.”

Além disso, de acordo com Andrea Bell, planos de assinatura continuam, portanto, a crescer e continuarão, portanto, sendo uma opção importante em 2023.

“Saber que há uma entrega definida ajuda a construir a rotina, além de evitar a fadiga mental da escolha. E, claro, há pesquisas sugerindo que há uma recompensa química: abrir uma caixa libera dopamina, criando um pico instantâneo de satisfação.”

O relatório destaca que o “jet lag social” – termo cunhado pelo neurocientista e professor de cronobiologia Dr. Till Roenneberg para descrever o impacto dos padrões de sono que variam durante o trabalho e o laze.

À medida que as fronteiras entre o lazer, o trabalho e os momentos sociais se desintegraram, muitos ficaram exaustos e com problemas de saúde. Isso abre espaço para soluções que ajudem as pessoas a lidarem com estresse, ansiedade, insônia e desconexão.

Fontes: Mercado & Consumo e Blog NRF

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário