Destaques & lançamentos

Varíola dos macacos: Ministério da Saúde recomenda camisinha e máscara a grávidas e mulheres que amamentam

Orientação é para barrar a transmissão

O Ministério da Saúde (MS) recomendou na última segunda-feira (dia 1º), que grávidas, puérperas e lactantes mantenham o uso de máscaras em locais fechados como forma de prevenir a infecção pela varíola dos macacos.

A pasta também orienta que esse grupo de mulheres use preservativo nas relações sexuais, uma vez que a transmissão pelo contato íntimo é apontada como uma das causas do novo surto.

O alerta para o uso de camisinha vale para o sexo vaginal, oral e anal, diz a nota técnica do ministério.

Embora a doença esteja avançando mais velozmente entre homens que fazem sexo com outros homens, especialistas afirmam que o vírus deve, em breve, se espalhar para outros grupos.

Ainda conforme o documento, gestantes, puérperas e lactantes devem se manter afastadas de pessoas que apresentem febre e lesões cutâneas. Em casos de sintomas suspeitos, elas devem procurar ajuda médica.

Já em gestantes assintomáticas, não há necessidade de hospitalização. Entretanto, é necessário que a mulher entre em “isolamento domiciliar por 21 dias, sem visitas”. A mesma medida se dá para gestantes com suspeitas da doença.

As recomendações são feitas com base em estudos sobre a varíola dos macacos em diversas localidades.

Ainda de acordo com as conclusões do ministério, a doença, quando acometida em gestantes, tem maior índice de mortalidade. Além de aumentar as chances de “abortamento espontâneo, morte fetal e parto pré-termo [prematuro]”.  Além disso, segundo o documento, o vírus pode “atravessar” a placenta, ou seja, uma mãe infectada transmite a varíola dos macacos para o feto ainda no útero.

Por esse conjunto de complicações, o ministério afirma que grávidas infectadas e com sintomas devem ser hospitalizadas para diminuir os riscos da doença.

Esses cuidados também são importantes porque “nenhuma vacina contra a varíola dos macacos está aprovada para uso na gravidez”. De acordo com a Saúde, não foram realizados testes suficientes nesse público.

A varíola dos macacos, dentre outros sintomas, causa lesões na pele. Segundo a recomendação, a quantidade de feridas é uma das maneiras de determinar a gravidade da doença. Eis a comparação apresentada pelo ministério:

  • Menos de 25 lesões – caso leve.
  • De 25 a 99 lesões – caso moderado.
  • De 100 – 250 lesões – caso grave.
  • Mais de 250 lesões – caso crítico.

Casos de varíola macacos no Brasil

Até a última segunda-feira (01), o Brasil registrou 1.369 casos da varíola dos macacos em território nacional. O Estado com maior número de infectados é São Paulo, com 1.031. A saber, os dados são do MS.

Na última sexta-feira (29/jul), o MS confirmou a 1ª morte por varíola dos macacos no Brasil, no Estado de Minas Gerais. Ainda de acordo com a pasta, o paciente tinha “imunidade baixa e comorbidades”.

Já no mundo, segundo o agregador Our World in Data, são 21.099 registros da doença e 6 mortes confirmadas, incluindo o caso do Brasil.

Fontes: Exame e Poder 360

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário