Venda de antidepressivo cresce 17% na pandemia, diz Conselho Federal de Farmácia

Medo de contrair o novo coronavírus, mudanças na rotina, incertezas e o isolamento social estão entre fatores que levaram mais pessoas aos consultórios de psiquiatras

Um levantamento inédito do Conselho Federal de Farmácia (CFF) apontou um aumento de 17% na venda de antidepressivo e estabilizadores de humor em 2020, primeiro ano da pandemia de Covid-19, em relação a 2019.

Medo da infecção pelo novo coronavírus, mudanças na rotina, incertezas e o isolamento social estão, portanto, entre fatores que levaram mais pessoas aos consultórios de psiquiatras.

Eles alertam, contudo, sobre a necessidade de observar sintomas como alterações no sono, ansiedade e desânimo, e também de buscar ajuda ao sentir impactos na saúde mental.

“Verificamos o consumo nos períodos de 2018 em relação a 2017, 2019 a 2018, 2020 a 2019. Este último levantamento teve um aumento significativo de venda de remédios para transtorno de humor e psicotrópicos de 17%. Em 2019, tinha sido de 12% e, em 2018, de 9%. Isso mostra contudo o impacto da pandemia na saúde mental das pessoas“, explica o consultor do CFF e professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Wellington Barros. venda antidepressivo covid

Venda de antidepressivos durante a pandemia da Covid-19

O levantamento, feito em parceria com a Consultoria IQVIA, mostrou ainda um ranking dos Estados que mais tiveram aumento de venda desses medicamentos durante a pandemia.

Por exemplo,  Amazonas lidera com incremento de 29%. Na sequência, estão Ceará (29%) e Maranhão (27%).

Já São Paulo é o 18º colocado, com aumento de 16%.

Ele afirma que os momentos mais críticos da pandemia, desde a escassez de respiradores chegando à crise da falta de oxigênio para pacientes, também têm impacto na saúde mental da população.

Membro da diretoria da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Marcelo Feijó explica que o aumento de problemas psiquiátricos por causa da pandemia já era previsto não só no Brasil, mas em todo o mundo.

“Mundialmente, já era sabido que teria a quarta onda da pandemia relativa à saúde mental. A primeira seria a da covid-19. A segunda, das pessoas que têm complicações por causa da doença. Depois, a das pessoas que têm problemas cardíacos, câncer, e que deixaram de buscar tratamento. A última é a de saúde mental. Medo da doença, isolamento, situação da economia levam a esse aumento. Nos consultórios, as pessoas estão falando que estão trabalhando bastante, há aumento de tentativa de suicídio. É bem preocupante.”

De acordo com Feijó, o estigma em relação ao tratamento psiquiátrico tem diminuído ao longo dos anos, mas ainda há alguns gargalos.

É necessário pedir ajuda, porque as medicações são controladas e é preciso ter uma receita dada por um médico. Na classe média, por exemplo, as pessoas vão mais à terapia e tomam medicação. Só que existe uma lacuna entre as pessoas que têm o problema e as conseguem o acompanhamento e ainda houve a interrupção de serviços durante a pandemia. Estima-se que 60% das pessoas que têm problemas psiquiátricos não recebem o tratamento adequado.”

Alterações no sono e desânimo são sinais de alerta

A saber, os sinais de que uma pessoa está sofrendo com a depressão e a ansiedade devem, então, ser observados não só pela própria pessoa, mas por quem está ao seu redor.

No entanto, no caso da depressão, não é apenas a tristeza que deve preocupar.

A depressão é a perda da capacidade de sentir prazer, o mundo parece menos estimulante. Há falta de ânimo, de propósito e pensamentos de culpa excessiva. Já a ansiedade, é um sintoma que todo mundo tem e, de forma geral, é um sistema de alarme para o corpo perceber ameaça. Ela é considerada patológica quando é liberada sem a ameaça real“, diferencia o psiquiatra e fundador do canal Saúde da Mente, Marco Antônio Abud.

Todavia, ele alerta ainda que as pessoas devem observar se tiverem alterações no sono e no comportamento.

Fonte: Estadão

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário