Vendas de medicamentos antialérgicos crescem 50% no mês de agosto

Vendas de aparelhos inaladores também subiram

Agosto é conhecido como mês de tempo seco e muito vento em grande parte do Brasil. Além das condições climáticas, outro fator também torna o período bastante difícil: queimadas são frequentes e tornam os ares das cidades ainda mais poluídos, secos e carregados. No conjunto, o mês oferece condições favoráveis para o aparecimento de alergias respiratórias como asma e rinite, pioradas diante da poeira doméstica, ácaros, mofo, pelo de animais, fumaça, poluição e baixa umidade relativa do ar.

Como consequência disso, a procura por medicamentos antialérgicos e aparelhos inaladores para o tratamento das alergias sobe consideravelmente no período. De acordo com o diretor de marketing da startup de farmácias MyPharma, Carlos Henrique Soccol, até agora, houve um crescimento de 15% nas vendas de aparelhos inaladores, se comparado ao mesmo período do ano passado, nas plataformas da startup.

“Além do crescimento nas vendas de inaladores, percebemos aumento de 50% na compra de medicamentos antialérgicos, como o histamin e o xarope polaramine. Os descongestionantes, soros fisiológicos e lubrificantes nasais também estão sendo bastante procurados neste período. Acredito que o fato de as pessoas ficarem mais tempo em casa e em ambiente fechado, devido às restrições da pandemia do novo coronavírus; têm contribuído para o aumento das alergias respiratórias”, comenta Carlos.

Medicamentos antialérgicos

Para o proprietário da Drogaria Santa Terezinha, em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, Leonardo Moreira Gonçalves, o clima mais seco e de temperaturas elevadas, característico deste período do ano na região sudeste, contribui para maior procura destes itens.

“Nas primeiras semanas do mês, observamos crescimento de 15% nas vendas de equipamentos umidificadores e inaladores, bem como acréscimo de mais de 20% nas vendas de remédios antialérgicos, comparados a agosto do ano passado. Esses índices ainda devem subir nas próximas semanas”, afirma Leonardo.

Embora a procura dos medicamentos e aparelhos seja pelas condições climáticas, os lojistas apostam em promoções e descontos para atrair os consumidores.

“É fundamental que o lojista monte um mix de produtos no tablóide de ofertas da farmácia, para gerar proximidade com o cliente. Apostar ainda na divulgação dos produtos no website, redes sociais e WhatsApp, por exemplo, são opções interessantes para chamar a atenção dos consumidores”, sugere o diretor de marketing da MyPharma, Carlos Henrique Soccol.

Além disso, as vendas de Dorflex tiveram aumento de 53% no primeiro semestre sobre o mesmo intervalo de 2019. A epidemia estimulou o consumo do analgésico e relaxante muscular Dorflex, que já era o medicamento mais vendido do país há vários anos, de acordo com dados da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma). Suas vendas, que geraram mais de R$ 470 milhões em 2019, tiveram aumento de 53% no primeiro semestre sobre o mesmo intervalo de 2019.

Qual o mecanismo de ação dos antialérgicos? 

Foto: Shutterstock

Fonte: SEGS / Foxbe

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário