PDV

Vendas pelo whatsapp na farmácia: como usar e não infringir a LGPD

Se há autorização explícita da pessoa em relação ao uso de seus dados, não há problemas e não se infringe a lei

O WhatsApp é uma excelente ferramenta de comunicação, principalmente quando usada para potencializar a experiência do cliente. No caso de farmácias, o contato com clientes deve sempre respeitar a legislação vigente para a categoria.

É claro que as vendas de medicamentos controlados continuam sendo realizadas obrigatoriamente apenas em lojas físicas com apresentação de receita, mas pela plataforma é possível trazer suporte aos consumidores que fizeram compras de medicamentos de uso livre, por exemplo.

Sabe-se que prestar um bom atendimento é um dos principais pilares para que as marcas alcancem sucesso e fortaleçam o contato com seus consumidores. Neste sentido, precisamos pensar que o uso do WhatsApp deve estar ligado muito mais à prestação de serviço do que a um meio de divulgar promoções e propagandas. A ferramenta, inclusive, quando bem aproveitada se torna um dos maiores pontos de contato entre empresas e clientes.

Whatsapp e farmácia: uma tendência

De acordo com a Meta, empresa administradora do WhatsApp, a ferramenta é utilizada por 80% dos brasileiros, com cerca de 108,4 milhões de usuários cadastrados. Entretanto, com a popularização das vendas via App, muito tem se falado sobre a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, Lei nº 13.709/2018), que regula as atividades de tratamento de dados. Por ser uma plataforma de comunicação com interação humana é importante ter cautela no compartilhamento de informações.

A LGPD funciona com base em consentimentos que, muitas vezes, precisam ser revalidados. Se há autorização explícita da pessoa em relação ao uso de seus dados, não há problemas e não se infringe a lei. Por exemplo, sabemos que as farmácias costumam oferecer descontos em medicamentos após o fornecimento do CPF por parte dos clientes. Quando há o consentimento desta prática, não há o que temer em relação à lei, pois funciona como uma moeda de troca, com total concordância do cliente.

Ao mesmo tempo, as empresas que usam dados dos clientes precisam se proteger e garantir que essas informações não sofram vazamentos e não sejam expostas porque, aí sim, regras da LGPD estão sendo infringidas e as empresa ficam passíveis de punições. No fim das contas, é preciso conhecer as regras e usar o bom senso na comunicação com o seu cliente, dentro de um planejamento e de uma régua adequada e não invasiva de relacionamento. E, em caso de dúvidas, sempre consultar um especialista!

4 infrações comuns de LGPD que ainda são cometidas no dia a dia

Fonte e foto: Guilherme Bhonen, diretor executivo de Oto, App que cria soluções a partir de dados de compras online e offline para impulsionar a experiência das marcas com seus consumidores, com exclusividade para o portal Guia da Farmácia. 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário