Vigilantes do Sono traz pesquisa sobre a qualidade do sono dos trabalhadores brasileiros

O estudo realizado com 42 mil pessoas aponta que 52,9% dos entrevistados estão insatisfeitos com a qualidade do sono

Estudo realizado pela Vigilantes do Sono, primeiro programa digital de terapia cognitiva-comportamental para insônia (TCC-I) no Brasil, em 21 empresas, reuniu 42 mil brasileiros, em todo país.

E identificou que 52,9% dos entrevistados estão insatisfeitos com a qualidade do sono.

Ainda de acordo com a análise, 47,5% dos participantes relataram sintomas de ansiedade e 21,4% depressão.

De acordo com a psicóloga e sócia-fundadora da Vigilantes do Sono, Laura Castro, a análise trata-se de um dos maiores mapeamentos sobre queixas de sono realizados no Brasil.

“Observamos no estudo muitas pessoas com quadros crônicos de dificuldade para dormir, com queixas que realmente sugerem a necessidade de tratamento e avaliação profissional”, comenta.

Ainda de acordo com o estudo, 38,5% dos participantes relataram, portanto, dificuldade com o sono há mais de três meses e 23% há mais de um ano.

Ansiedade e depressão

Nestes casos, então, a recorrência de ansiedade e depressão é maior, sendo apontado por 70% e 41% dos participantes, respectivamente.

“É importante que as pessoas observem se sentem dificuldade para dormir três ou mais vezes na semana. Caso esse seja o caso, é indicado que busquem ajuda profissional, principalmente quando os sintomas começam a persistir por um ou mais meses”, recomenda Laura.

Dentre as queixas mais frequentes, estão a dificuldade para iniciar o sono, relatada por 37,4% dos colaboradores.

Seguida, então, pela dificuldade para mantê-lo (33,1%).

E pelos despertares frequentes antes do horário desejado, com a dificuldade para retomar o sono (31,4%).

“As evidências nos demonstram que quanto mais precoce a intervenção terapêutica para melhorar a qualidade do sono, mais efetiva ela tende a ser, pois a cronificação do problema, quando menos se espera, pode desencadear muito sofrimento” ressalta a psicóloga.

Para o CEO da startup, Lucas Baraças, antes mesmo da pandemia muitas pessoas já sofriam com a insônia.

“Por isso, desenvolvemos o programa de TCC-I digital, considerada primeira linha de tratamento há anos fora do Brasil e que aqui ainda não existia, para trazer uma solução de melhorar a qualidade do sono e de vida dos brasileiros de maneira saudável, assertiva e acessível para todos“, ressaltou Lucas.

Fonte: Vigilantes do sono

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário