20 de janeiro – Dia do farmacêutico: saiba mais sobre importância do profissional na promoção do uso racional de medicamentos

CRF-SP chama atenção para os riscos da automedicação e da interação medicamentosa

Automedicação e intoxicação medicamentosa são problemas que preocupam autoridades de saúde no Brasil e que têm destacado a importância do farmacêutico, profissional que trabalha pelo uso racional dessas substâncias. Novidades em legislação prometem melhorar a relação dos pacientes com medicamentos, aumentando a segurança no consumo, ao transformar a farmácia em estabelecimento de saúde.

A automedicação é praticada por 76,4% dos brasileiros, segundo levantamento feito pelo Datafolha há dois anos. A mesma pesquisa apontou que 32% dos pacientes têm o hábito de aumentar as doses prescritas por médicos para potencializar os efeitos terapêuticos. Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), 28% dos casos de intoxicação humana registrados, anualmente, são motivadas por medicamentos. Os benzodiazepínicos, antigripais, antidepressivos e anti-inflamatórios são os que mais intoxicam no País.



A Farmácia brasileira passa por transformações, que se acentuaram nos últimos anos, com a introdução de novidades como a regulamentação da prescrição farmacêutica pelo Conselho Federal de Farmácia (Res. 586/13), a instituição de um marco regulatório para esses estabelecimentos, a Lei 13.021/14, e o novo Código de Ética Farmacêutica (Res. nº 596), do mesmo ano. A Lei 13.021/14 sacramentou a farmácia como estabelecimento de saúde. Em vez de um comércio comum, “uma unidade de prestação de serviços destinada a prestar assistência farmacêutica, assistência à saúde e orientação sanitária individual e coletiva” (artigo 3º).

No dia do farmacêutico, profissionais, acadêmicos e lideranças de todo o estado de São Paulo se encontram na capital para o XVI Encontro Paulista de Farmacêuticos, realizado pelo Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (CRF-SP), sob o tema “Farmácia: Que Futuro Estamos Construindo?”. Preparado para debater o impacto dessas mudanças, o seminário terá como palestrante principal o professor-doutor e historiador da Unicamp, Leandro Karnal, que discorrerá sobre “História e Ética na Construção do Futuro”.

 

Uso/Associação Consequência
Anti-histamínico associado a antiácidos Redução da ação do medicamento no organismo por interferirem na absorção do anti-histamínico.
Corticosteróides Alteração nos níveis de glicemia.
Ácido acetilsalicílico e outros ou anti-inflamatórios não esteroidais Risco de hemorragias
Antibióticos e/ou anticonvulsivantes associados a anticoncepcionais Redução no efeito do anticoncepcional.
Ácido acetilsalicílico Em pessoas com dengue pode aumentar o risco de hemorragias, pois estes pacientes apresentam diminuição nos níveisplaquetários.
Laxantes Alterações intestinais e metabólicas, além de provocar desidratação
Xaropes O uso indevido pode mascarar sintomas ou até aumentar a secreção pulmonar, pois a tosse poder ter diversas causas.
Antiácidos Pode retardar o diagnóstico de algumas doenças e piorar o problema do paciente. Dor de estômago pode ser sintoma de úlcera, tumor ou, até mesmo, infarto.
Ácido acetilsalicílico associado a álcool Irritação da mucosa do estômago e até hemorragia gastrintestinal.


Foto: Shutterstock 

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário