fbpx

Anvisa aprova remédio para prevenção de enxaqueca

A enxaqueca afeta uma em cada sete pessoas no mundo, sendo que 2% da população enfrenta enxaquecas crônicas, ou seja, com crises que ocorrem por 15 ou mais dias por mês

A primeira droga especificamente desenhada para a prevenção de enxaqueca foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O tratamento deve chegar ao mercado com preço alto, ainda não definido.

No Brasil, o medicamento recebeu o nome de Pasurta e será comercializado pela Novartis. Nos Estados Unidos a droga leva o nome de Aimovig -fabricada pela Amgen e pela Novartis- e foi aprovada pela Food and Drug Administration (FDA) em maio de 2018.

Sendo assim, o tratamento consiste em uma injeção mensal do medicamento Erenumabe, que bloqueia uma proteína, a CGRP, que é relacionada às crises de enxaqueca.

Não se trata de uma cura para o problema. Mas, estudos mostram que em metade dos pacientes que recebem a droga há uma redução de 50% nos dias de cefaleia. De acordo com o diretor médico da Novartis Brasil, Luis Boechat, 175 mil pacientes já fazem uso da droga.

A doença afeta uma em cada sete pessoas no mundo, sendo que 2% da população enfrenta enxaquecas crônicas. Ou seja, com crises que ocorrem por 15 ou mais dias por mês. Algumas estimativas apontam que ela é a terceira doença mais comum no mundo. Além disso, é listada no ranking das dez principais causas de incapacidade.

Nos Estados Unidos, o medicamento tem um custo anual de cerca de US$ 6.900 por ano (mais de R$ 26 mil pela cotação atual do dólar). Por isso, o tratamento também não deve ser barato no mercado brasileiro.

Remédio para prevenção da enxaqueca: trâmites da aprovação

Após a aprovação da Anvisa, a droga agora espera uma definição de limite de preço por parte da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED).

A Novartis não fala em possíveis valores. “É uma medicação imunobiológica, de fabricação complexa e manejo complexo, apesar de ser simples de usar. Há de se esperar que venha com um preço diferente de uma medicação sintética”, diz Boechat.

Segundo a chefe do setor de cefaleia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Thais Villa, após a definição de preço será possível ter um detalhamento melhor da indicação. “Só aí poderemos ver o custo-benefício para ser indicado. A indicação provavelmente será para aqueles com enxaquecas mais graves, crônicas e que não responderam aos tratamentos preventivos já conhecidos.”

Assim, a Novartis diz que o medicamento pode ser usada por quem tenha quatro ou mais dias de enxaqueca por mês.

Villa ressalta que, assim como outras medicações para enxaqueca, a droga pode funcionar muito bem. Já no primeiro mês de uso, pode ter efeito parcial ou até ter um funcionamento abaixo do esperado.

Um dos principais pontos positivos do remédio para enxaqueca, afirma a especialista da Unifesp, são os reduzidos efeitos adversos.

Foto: Shutterstock
Fonte: Gazeta Online

Deixe um comentário