Assistência farmacêutica e inovação terão mais relevância pós-pandemia

Conclusão é de especialistas que debateram estratégias e apontaram um novo cenário para a área da saúde no primeiro Science Talks EMS

É fato que muitas coisas irão mudar na área da saúde no pós-pandemia da Covid-19.

Já que ela acelerou a demanda por serviços de assistência farmacêutica, demonstrou, portanto, a necessidade de um olhar mais atento ao tratamento de doenças de média e alta complexidade.

E também a importância de plataformas digitais no acesso à saúde.

A conclusão é de médicos, pesquisadores e especialistas nacionais e internacionais que participaram, então, na última semana da primeira edição do Science Talks EMS – Perspectivas na Área da Saúde no Brasil Pós-Pandemia.

Dessa maneira, o evento ressaltou a importância da ciência baseada em evidências e se propôs, portanto, a discutir o futuro do setor de saúde no Brasil, tendo a inovação como principal norteador.

“A EMS aposta na ciência e na inovação para promoção da saúde. O debate científico, que a empresa propôs, oferece a oportunidade de pensarmos em novas alternativas em relação ao futuro do setor como um todo e permite traçar estratégias para lidar com eventos similares como esta pandemia. Para nós, foi um momento de extrema importância por reunir os diferentes atores que compõem o sistema de saúde, em busca de reflexões sobre o cenário de desafios que temos todos experimentado desde março de 2020”, destacou o diretor médico-científico e de portfólio da EMS, Roberto Amazonas.

Mudanças no pós-pandemia

O Science Talks EMS abordou o impacto, neste período, da transformação digital na área da saúde.

E também como ela trouxe mudanças na relação médico, paciente, farmácia e indústria.

As inovações proporcionadas pela inteligência artificial aumentam os recursos da medicina e personalizam, então, a forma de cuidar.

O monitoramento remoto, os sensores e aplicativos foram, portanto, citados como ferramentas que estão, portanto, trazendo benefícios para a qualidade de vida e bem-estar.

Pontos importantes

Maior celeridade e previsibilidade, novos marcos regulatórios, segurança jurídica e mais coordenação do setor de saúde como um todo foram apontados como pontos cruciais.

Para fazer a inovação de fato acontecer com a agilidade necessária, chegando, então, a mais pessoas e da forma como o Brasil necessita.

“Saímos do nosso primeiro Science Talks convictos de que nosso sistema de saúde precisa estar estruturado para outras situações pandêmicas e de que a inovação, então, será ainda mais importante para a promoção da saúde pelos próximos anos”, afirma Amazonas.

Executivos convidados

O evento contou com a participação do economista e cientista social Eduardo Giannetti; Glaucius Oliva, cientista e membro titular da Academia Brasileira de Ciências; Meiruze Freitas, diretora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); e Denizar Vianna, ex-secretário do Ministério da Saúde (MS) e professor titular da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Além de Michael Gibson, médico cardiologista, professor e pesquisador da Universidade de Harvard; José Marcelo Amatuzzi de Oliveira, CEO do Hospital Alemão Oswaldo Cruz; Romeu Cortes Domingues, cochairman da Dasa; Carlos Grabois Gadelha, coordenador do Centro de Estudos Estratégicos (CEE) da Presidência da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), entre outros nomes.

Acesso a remédios e investimento em pesquisas

Certamente, o enfrentamento da pandemia também tem feito com que as indústrias farmacêuticas direcionem grandes volumes de recursos para o desenvolvimento de pesquisas em novos tratamentos e medicamentos.

Dados da IQVIA, por exemplo, indicam que os gastos globais do setor com pesquisas totalizaram US$ 123 bilhões.

Portanto, esta é a primeira vez que os gastos atingiram 20% do faturamento das indústrias em todo o mundo.

Então, o alto investimento concentra-se em estudos para desenvolver, em grande parte, novos tratamentos para Covid-19.

E também remédios para o tratamento de oncologia, imunologia e outros medicamentos personalizados, voltados, cada vez mais, para populações de grupos específicos.

A quantidade de estudos clínicos também aumentou 8% em 2020, vindo em uma crescente desde 2017.

A saber, ainda de acordo com a IQVIA, no mundo, foram realizados, ao todo, 4.686 estudos, e 985 avançaram, portanto, para a fase três.

Fonte: EMS

Foto: Divulgação

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário