Dia Mundial da Alergia: o farmacêutico pode ajudar

O farmacêutico pode auxiliar o paciente na identificação de uma alergia, encaminhando o paciente ao serviço de saúde sempre que necessário

O Dia Mundial da Alergia foi celebrado ontem (08/07). A data foi instituída pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para alertar a população quanto à relevância do tratamento desse problema, que em alguns casos pode causar sérias complicações à saúde e até o óbito. Geralmente a alergia é ocasionada por uma resposta exacerbada do sistema imunológico a certas substâncias, entre elas, alimentos, medicamentos, insetos e até mesmo de contato superficial com materiais.

O farmacêutico pode auxiliar o paciente na identificação de uma alergia, encaminhando o paciente ao serviço de saúde sempre que necessário, e até mesmo no acompanhamento do tratamento medicamentoso para controlar determinadas reações alérgicas. De acordo com a farmacêutica, Pamela Saavedra, do Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos do Conselho Federal de Farmácia (Cebrim/CFF), o farmacêutico pode contribuir na orientação quanto o uso dos medicamentos.

“É importante ressaltar que intervalos e duração do tratamento devem ser seguidos para obtenção dos benefícios esperados, principalmente quando há o uso de medicamentos corticosteroides, que precisam de acompanhamento estreito”, observa. Pâmela explica que, entre tantas atribuições, o farmacêutico pode auxiliar o paciente no seguimento das medidas não farmacológicas que complementam o tratamento medicamentoso. “O farmacêutico pode orientar, por exemplo, no controle ambiental, que engloba todas as ações voltadas a reduzir a exposição do paciente alérgico a alérgenos e irritantes ambientais”, pontua Pâmela.

Dia mundial da alergia

Os farmacêuticos também atuam nos bancos de leite, orientando sobre a amamentação, que, de acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) o aleitamento materno, ou seja, o período de amamentação é de extrema importância, pois além de ser saudável para o bebê contribui na prevenção de alergias. A ASBAI aponta que as alergias atingem aproximadamente 30% da população no Brasil, sendo o público infantil o mais afetado, 20%. A entidade estima que, até o ano de 2050, o índice de pessoas com alergias representará 50% da população global.

“Há duas fases diferentes na reação alérgica: a imediata, que ocorre dentro de 30 minutos após a exposição ao antígeno e inicia as manifestações clínicas, e a tardia, verificada de 4 a 6 horas em média após o paciente apresentar hiper-reatividade ao estímulo. Exemplo disso é rinite alérgica em que ocorre obstrução nasal, rinorreia aquosa, secreção de muco e espirros”, explica a farmacêutica.

Além disso, é importante salientar que qualquer parte do corpo está suscetível às reações alérgicas. “São mais raros os casos graves, de hipersensibilidade que resulta em anafilaxia, hipotensão, obstrução de via respiratória devido a edema laríngeo, em que uso de medicamento injetável para uso imediato é recomendado” afirma.

São vários os sintomas de uma reação alérgica, entre os quais dificuldade em respirar coriza, coceira no nariz, olhos ou pele, espirros, lesões cutâneas, bem como náusea e vômito. A rinoconjuntivite alérgica, dermatite atópica ou eczema atópico, urticária e angioedema devem ser diagnosticadas pelo médico, que selecionará a melhor opção terapêutica para o paciente. “É importante diagnosticar e tratar as alergias, pois elas podem levar ao desenvolvimento de doenças como asma brônquica. Para um diagnóstico preciso, um especialista deverá ser consultado”, conclui Pamela Saavedra.

Fonte: Comunicação do CFF

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário