Laringite: veja causas, sintomas e tratamentos

A infecção na laringe é causada especialmente por ação de vírus, que gera rouquidão, inchaço nas pregas vocais e, em casos sérios, dor, febre e falta de ar

Laringite é um termo genérico que engloba todos os processos inflamatórios da laringe, órgão que se situa no pescoço e que se une superiormente à faringe e inferiormente à traqueia e ao esôfago.

A doença acomete todas as idades.

Todavia, mas especialmente pessoas que têm alta demanda da voz, que ficam expostas a fumaça, que têm refluxo gastroesofágico, fumantes e indivíduos que fazem uso excessivo de álcool.

De acordo com o otorrinolaringologista e membro da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia (ABORL), Luciano Moreira, as laringites podem ser decorrentes de infecções por vírus e bactérias,

Porém, também por processos alérgicos, pelo refluxo de conteúdo ácido do estômago, por inalação de substância irritante e por uso abusivo da voz.

A desidratação e o consequente ressecamento da mucosa laríngea também podem colaborar para os sintomas.

Como é um quadro infeccioso, em princípio, a causa é basicamente o contágio com o vírus ou bactéria pelo ar.

Dentre os vírus causadores, os principais são os parainfluenza, influenza, o vírus sincicial respiratório, o rinovírus, adenovírus e outros que podem causar a doença.

Quais os principais sintomas e quanto tempo duram?

Uma das principais funções da laringe é a modulação da voz. Sendo assim, a rouquidão costuma ser um dos principais sintomas.

O inchaço das pregas vocais (também conhecidas como cordas vocais) prejudica a vibração delas. Também podem ocorrer pigarro, sensação de ressecamento e ardência, tosse e, nos casos mais sérios, dor, febre e falta de ar.

De acordo com o otorrinolaringologista Carlos Barone, diretor da Sociedade Carioca de Otorrinolaringologia, alguns casos podem apresentar secreção desde o início dos sintomas.

Em crianças, a falta de ar e um ruído na respiração (estridor laríngeo) também pode ser um indício da infecção, visto que a laringe é menor. Os sintomas da laringite aguda geralmente duram de sete a dez dias.

Como é feito o diagnóstico?

A história clínica de rouquidão e os principais sintomas da inflamação já são suficientes para levantar a suspeita dos diferentes quadros de laringite.

No entanto, o diagnóstico mais preciso é feito com o auxílio da videolaringoscopia — fibras óticas rígidas e flexíveis capazes de fazer imagens em alta resolução de todo o órgão e, especialmente, das pregas vocais.
Qual a forma de tratamento da doença?

De acordo com o otorrinolaringologista Luciano Moreira, o tratamento pode envolver uso de medicamentos anti-inflamatórios e antibióticos, medidas alternativas de alimentação para evitar o refluxo gastroesofágico.

E, ainda, as terapias fonoaudiológicas de voz para melhora da técnica vocal especialmente em músicos, atores, professores, palestrantes e outros profissionais com alta demanda de uso da voz.

Existe prevenção?

A laringe é um órgão extremamente complexo do ponto de vista anatômico e fisiológico.

Suas articulações são dotadas de movimentos complexos e sua superfície apresenta diferentes tipos de mucosa.

Sujeitas, então, ao contato com alimentos, poluentes e ao ar em diferentes níveis de umidade, poluição e temperatura.

Além disso, a laringe e a voz podem ser afetadas pelo uso abusivo da voz, pelo estado emocional e pela desidratação.

Assim, a prevenção das laringites envolve beber pelo menos 2 litros de água e líquidos ao dia.

Além de também uma dieta balanceada que evite o abuso de carboidratos principalmente no horário da noite, o bom uso da voz e o controle do estresse.

O especialista lembra ainda que doenças do trato respiratório, como a laringite, sempre se acentuam no outono e no inverno.

Que são, portanto, períodos mais frios e as pessoas têm uma tendência maior a aglomeração, a ficarem confinadas em espaços fechados, sem a adequada ventilação.

Esse contato mais próximo favorece a disseminação das doenças respiratórias.

Fonte: O Globo

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário