Nutrição infantil

Seja sob forma de leites especiais ou papinhas, é fato que o mercado de alimentação infantil cresce no País, puxado pelo maior número de prescrições e maior preocupação dos pais com a alimentação de bebês e crianças

A alimentação e nutrição nos primeiros mil dias (da concepção ao segundo ano de vida) da criança é fundamental para prevenção de doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, diabetes e arteriosclerose, segundo afirma a nutricionista do Centro de Dificuldades Alimentares do Instituto PENSI, do Hospital Infantil Sabará, Priscila Maximino. De acordo com a especialista, já é comprovado que, até o segundo ano de vida, a criança precisa de uma alimentação rica em nutrientes, variada, colorida, de preferência com frutas, cereais, vegetais, carnes, ovos e leite.  

Nessa alimentação, também se torna fundamental o leite materno, alimento considerado o mais completo para o desenvolvimento do bebê, já que contém substâncias, como vitaminas, proteínas, gorduras e água nas quantidades ideais. “O leite materno é o alimento perfeito para o bebê. Nenhum leite ou fórmula o substitui. Quando a criança tem alguma alergia, a mãe pode fazer adaptações na alimentação e, assim, o bebê poderá continuar mamando o leite humano”, reforça Priscila.

Diante da importância da alimentação nos primeiros anos de vida, além das restrições que alguns bebês e crianças podem ter, a indústria passa a oferecer diversas opções de produtos com esse fim no mercado, que vão desde leites especiais a papinhas, fortalecendo a categoria como um todo. “O mercado de alimentos dedicados ao público infantil e, principalmente, o de compostos lácteos, vem crescendo a taxas de dígito duplo nos últimos anos. Esse crescimento reforça a tendência de uma maior preocupação dos pais para com a alimentação e desenvolvimento de seus filhos”, constata o diretor de Trade & Sales da Mead Johnson, Andre Pazos.

Já na categoria de leites especiais (sem lactose e sem açúcar), a linha de produtos Olvebra tem mantido o crescimento anual na faixa de 10% ao ano. “Esse crescimento é decorrente de diversos motivos, entre os quais, o diagnóstico médico ser mais rápido e preciso na identificação de doenças”, justifica a nutricionista da empresa Olvebra, Sabrine Waccholz Torma. 

Potencialize as vendas pela exposição

A Nestlé orienta para agrupar a categoria de nutrição infantil (formada por papinhas, cereais infantis e fórmulas Infantis) em uma mesma seção, promovendo o acesso às informações e facilitando o processo de compra.

Segundo Pazos, um ponto de atenção é que, em muitas farmácias, as marcas de compostos lácteos ainda são expostas dentro da categoria de fórmulas infantis. “O primeiro passo é criar, de fato, essa categoria no ponto de venda, verticalizando-a na gôndola ao lado da categoria de fórmulas infantis. Onde não houver espaço, a sugestão é horizontalizá-la nas prateleiras abaixo de fórmulas infantis”, ensina. 

Com relação às marcas, a recomendação é que sejam expostas horizontalmente, seguindo o racional das prateleiras mais altas com as marcas de maior preço (tíquete mais alto) e, nas mais baixas, as marcas de menor preço da categoria. “Isso facilita a organização e arrumação da gôndola, permitindo, inclusive, a rápida identificação de falta de produtos e, portanto, sua reposição”, justifica Pazos, reforçando que em categorias como essa, o shopper, que, em geral, é a mãe, é muito fiel à marca e, na ausência do produto, muda de farmácia para encontrá-lo em outra.

E como alguns produtos da categoria de alimentação infantil, como os compostos lácteos, são relativamente novos no mercado, nem sempre a compra é planejada pelo shopper. 

Por esse motivo, pontos extras e ações de cross-merchadinsing são importantes para incrementar as vendas. “Essas ações fazem com que o shopper possa entrar em contato com os produtos da categoria”, destaca o executivo. 

Também é importante que existam materiais de comunicação das marcas ou da categoria, explicando os benefícios dos produtos. Como as mães estão se tornando cada vez mais cuidadosas e criteriosas na alimentação infantil, conceder informações dos produtos que seus filhos irão consumir é fundamental. “O desenvolvimento da categoria de nutrição infantil está fortemente atrelado à comunicação com os pais. Por isso, é fundamental esclarecer todos os aspectos sobre a qualidade dos produtos, os benefícios nutricionais e as diferentes opções para equilibrar as refeições e os nutrientes necessários ao desenvolvimento das crianças”, esclareceu a Nestlé, por meio de comunicado institucional.

Top Corporações – Leites Infantis

1- Nestlé.

2- Danone.

3- Mead Johnson.

4- Abbott.

5- Josapar.

6- Olvebra.

7- Sanavite.

Top Marcas – Leites Infantis

1- Aptamil (Danone).

2- NAN (Nestlé).

3- NINHO® (Nestlé).

4- Nestogeno (Nestlé).

5- Milnutri (Danone).

6- Enfamil (Mead Johnson).

7- Enfagrow (Mead Johnson).

8- Neocate (Danone).

9- Pregomin (Danone).

10- Neslac (Nestlé).

Fonte: IMS Health

Entenda a formulação

Como são diversas apresentações entre leites especiais e papinhas, é fundamental que os farmacêuticos consigam entender as diferenças entre os produtos para que possam orientar o consumidor na melhor escolha. “As farmácias devem focar no treinamento dos funcionários, para que estejam sempre prontos para esclarecer as dúvidas dos clientes”, reforça Sabrine.

Os compostos lácteos, por exemplo, são produtos indicados para apoiar o desenvolvimento das crianças e devem ser prescritos por profissionais de saúde, como médicos e nutricionistas. “Hoje, no Brasil, a marca comercializada pela Mead Johnson é Enfagrow, um composto lácteo indicado para crianças até cinco anos de idade. Enfagrow contém nutrientes como DHA (sigla em inglês dada a um ácido graxo do tipo ômega-3: o docosahexanoico), colina, ferro, iodo e zinco que contribuem para uma nutrição inteligente”, explica Pazos.

Na Nestlé, os compostos lácteos são NINHO® Fases 1+ e NINHO® Fases 3+, que contam com um mix de nutrientes balanceados para atender às necessidades nutricionais de crianças entre um e três anos. A fórmula traz uma combinação de 14 vitaminas e minerais, além de oferecer um perfil adequado de gorduras, incluindo ômega 3 e ômega 6, que contribuem para o crescimento e desenvolvimento cerebral e visual.

No caso das papinhas, os produtos da Nestlé são desenvolvidos para atender às necessidades nutricionais de cada faixa etária e são práticos para o consumo fora de casa. Eles são fechados a vácuo ou gás inerte, o que dispensa a adição de conservantes. São mais de 30 variedades, dividas em: Etapa 1 – descobrindo os alimentos, indicada a partir do sexto mês; Etapa 2 – variando o cardápio, a partir do sexto mês; Etapa 3 – com ingredientes em pedaços que estimulam a mastigação, a partir do oitavo mês; e Etapa Júnior – nutrição para o crescimento, a partir de 12 meses.

No portfólio de leites infantis, um dos produtos oferecidos no mercado é o NINHO® Forti+, que também apresenta a opção líquida Zero Lactose (versões UHT e em pó) e o Levinho, semidesnatado com 60% menos gorduras. Todos os leites da marca NINHO® ganharam recentemente, junto com a nomenclatura Forti+, uma nova fórmula enriquecida com ferro, zinco e vitaminas A, C e D, além de trazer todos os benefícios do leite.

Para crianças que apresentam resistência a alguma das substâncias presentes no leite, o mercado também oferece diversas soluções. “A linha Soymilke é uma alternativa ao leite, para crianças a partir de um ano. É indicada em casos de intolerância à lactose, alergia à proteína do leite de vaca, doença celíaca, diarreias crônicas e problemas digestivos, como refluxo, úlcera e pirose”, mostra Sabrine, da Olvebra. 

Já a versão Soymilke Natural Sem Adição de Açúcares se constitui como um alimento à base de soja destinado a crianças que não podem ou não querem tomar leite. “Por não conter sacarose adicionada, também pode ser consumido por crianças com problema de ingestão deste açúcar”, finaliza Sabrine. 

Autor: Kathlen Ramos e Tassia Rocha

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Prazos encurtados

Edição 282 - 2016-05-01 Prazos encurtados

Essa matéria faz parte da Edição 282 da Revista Guia da Farmácia.

Deixe um comentário