Os sintomas da Dermatite Atópica

Apesar de ser uma doença dermatológica comum, os pacientes sofrem não somente com os sintomas da patologia, mas com o impacto social negativo

A Dermatite Atópica (DA) é uma doença inflamatória crônica, que causa lesões na pele e coceira intensa, comprometendo a qualidade de vida dos pacientes. Se todo o incômodo não fosse o suficiente para esses pacientes, eles sofrem também com a falta de informação das pessoas à sua volta, que acabam sendo indelicadas e até preconceituosas.

A inflamação é causada por um desequilíbrio do sistema imunológico e ocorre a partir do aumento da liberação de duas citocinas – substâncias liberadas pelo sistema imunológico para regular as reações inflamatórias e de defesa do organismo. Com o descontrole da liberação, há um processo inflamatório exacerbado.

O problema atinge até 20% das crianças e 3% dos adultos. A maior incidência entre os pequenos acontece, segundo a chefe do Ambulatório de Dermatite Atópica do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (HC-USP), Dra. Ariana Campos Yang, pois a pele costuma ser mais fina e, consequentemente, mais delicada.

Regiões mais afetadas

Fonte: Sanofi

“A nossa pele é como se fosse um muro de 20 camadas. Essas camadas estão unidas por ‘cimento’ (aminoácidos, proteínas, ceramidas, entre outros), ‘areia’ e água. Um paciente com dermatite atópica tem pouco cimento. Ou seja, tem a pele porosa, perde água (pele seca). Então, o que deveria protegê-lo acaba sendo prejudicial”, explica a médica.

As principais características da DA são o eczema (lesão): um tipo de alteração da pele que acontece, normalmente, nas dobras do corpo. Além disso, a pele se torna áspera, coça, fica com vermelhidão e escamas.

De acordo com a Dra. Ariana, o eczema pode surgir por diferentes motivos. “Entre os impulsionadores, estão exposições irritantes, disfunções imunológicas, alergias, inflamações cutâneas, coceiras e estresse. As três principais bases para que uma pessoa sofra com DA são: problemas em sua barreira cutânea, predisposição genética e deficiência no sistema imune”, revela.

A origem genética é extremamente relevante, assim como sua relação com outras doenças atópicas, como asma e rinite alérgica. Um a cada dois portadores com grau moderado a grave tem outras doenças atópicas (50%, rinite alérgica e 40%, asma). Além disso, pais atópicos (com quaisquer das patologias) têm mais chances de ter filhos também atópicos.

A patologia apresenta três níveis de gravidade: leve, moderada e grave. Para classificar o grau de severidade, é usado um índice chamado SCORAD, que leva em consideração a extensão e a intensidade das lesões na pele e a importância do prurido e das perturbações no sono. Quem, na infância, sofre de maneira leve, costuma não apresentar problemas na fase adulta.

As consequências da doença

Os pacientes que apresentam sintomas moderados a graves carregam algo muito além das marcas ou coceiras. Sinais de ansiedade e depressão estão presentes em 51% dos pacientes com a doença. Mais da metade (55%) das pessoas acometidas com DA relatam ter dificuldade para dormir cinco ou mais noites por semana; 77% relatam que a doença interfere na produtividade; e 57% afirmam que há impactos na vida afetiva.

“O estado emocional dos pacientes com a doença é afetado pelo constrangimento e estigmas causados pelas lesões. Pacientes com DA moderada a grave podem apresentar distúrbios no sono por conta das coceiras constantes, além de muitos ficarem impacientes com os desconfortos, questões que afetam negativamente sua vida profissional e social”, comenta a chefe do Ambulatório de Dermatite Atópica da USP.

Impacto social

51% apresentam sinais de ansiedade e depressão

55% apresentam dificuldade para dormir em cinco ou mais noites na semana

77% relatam que a DA afeta o trabalho e os estudos

57% relatam impacto nas relações afetivas

Fonte: Sanofi

Entre as principais queixas dos pacientes, estão a frustração – uma vez que a pessoa entende que não está fazendo o suficiente para estar melhor –, desejo de esconder-se, isolamento social, ansiedade, depressão, distúrbio do sono, irritabilidade e déficit de atenção.

A patologia é mais comum do que parece. Segundo o Censo da Sociedade Brasileira de Dermatologia, é a 11ª doença dermatológica mais comum, se considerar todas as faixas etárias. Se se reportar somente à faixa etária até 14 anos, é a segunda doença dermatológica mais comum, atrás somente de acne. Apesar disso, ainda há falta de conhecimento da população, que acaba corroborando em preconceitos, como pensar que a doença é contagiosa.

“Apesar do estigma causado pelas lesões, é muito importante destacar que a DA não é contagiosa justamente por ter origem hereditária. Os pacientes com DA podem conviver normalmente com outras pessoas, sem nenhuma restrição de contato”, reforça a Dra. Ariana.

Sem cura, mas com tratamento

Quem sofre com a DA tem de cuidar de sua pele ainda que não existam lesões, pois há uma inflamação persistente em suas camadas mais profundas. A hidratação é fundamental e, nos momentos de crise, os tratamentos tópicos ou medicamentos devem ser administrados.

Os medicamentos indicados, reforça a Dra. Ariana, podem ser os corticoides tópicos e inibidores de calcineurina nos casos mais leves, chegando aos antibióticos, antifúngicos e antivirais nos casos mais graves, dependendo do desencadeador das lesões.

Além disso, algumas medidas gerais de cuidado com a pele podem contribuir para reduzir o aparecimento dos sintomas:

  • Manter a pele sempre hidratada;
  • Evitar banhos longos e muito quentes;
  • Usar sabonetes e hidratantes neutros;
  • Identificar fatores desencadeantes e evitá-los;
  • Consultar o médico com regularidade para verificar o tratamento mais adequado.

Aos que foram diagnosticados com a patologia moderada a grave e que não conseguem controlar o problema com as terapias atuais ou para pacientes que não toleram o tratamento com corticoides devido aos efeitos adversos, a Food and Drug Admnistration (FDA – agência reguladora dos Estados Unidos) aprovou uma nova opção de tratamento: o dupilumabe.

O medicamento, que está em fase de avaliação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é o primeiro agente biológico desenvolvido especificamente para o tratamento de DA. O medicamento inibe a resposta inflamatória exagerada do organismo aos estímulos e reduz a coceira e as lesões na pele causadas pela doença.

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Novo ano em vista

Edição 301 - 2017-12-01 Novo ano em vista

Essa matéria faz parte da Edição 301 da Revista Guia da Farmácia.