Sinal de alerta

Cerca de 30% dos brasileiros sofrem de dores crônicas, isto representa 60 milhões de pessoas. Uma pesquisa revelou que, para 92% dos entrevistados, os principais pensamentos estão ligados ao alívio rápido

Sentir dor não é apenas sinônimo de desconforto. A dor compromete a rotina das pessoas e afeta a qualidade de vida. E dependendo do local que dói, até a mais fácil das tarefas se torna um obstáculo a ser ultrapassado até que a pessoa deixe de realizar ações simples e cesse até mesmo o convívio social.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) Conecta, em parceria com a Pfizer Consumer Healthcare, traçou o panorama “A dor no cotidiano”. O estudo realizado com 1.007 brasileiros com acesso à internet identificou as dores mais frequentes entre a população. A pesquisa constatou que quando sentem dor, os principais pensamentos estão ligados ao alívio rápido, sendo que 92% esperam que passe rápido, 86% pensam no que podem fazer para melhorar mais rápido e 78% pensam em algum recurso para o alívio imediato.

O impacto da dor na vida das pessoas chega a ser tão expressivo que três em cada quatro brasileiros revelam que a dor atrapalha de duas a três atividades diárias. A pesquisa conversou com homens e mulheres a partir de 18 anos de idade e, para 63% deles, o trabalho é a principal atividade impactada, seguida do sono (32%), atividades domésticas (30%) e até mesmo o lazer (29%).

De acordo com o professor titular de ginecologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e vice-presidente da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (Sogesp), Dr. Paulo Giraldo, cerca de 30% dos brasileiros sofrem de dores crônicas, isto representa 60 milhões de pessoas em busca pela causa de suas dores, e tratamentos adequados. “Em São Paulo, três em cada dez paulistanos convivem com a dor, mas, segundo especialistas, são principalmente as mulheres que devem ter atenção redobrada: dos 28% que sofrem com dores, a maioria é de mulheres.”

Segundo a Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), 95% da população brasileira apresentará ao menos um episódio de cefaleia em sua vida.

Ruptura das atividades

A dor é a principal causa de afastamento do trabalhador, já que afeta a produtividade, como destaca a médica fisiatra do Centro de Dor do Hospital das Clínicas de São Paulo, Dra. Lin Tchia Yeng. Mesmo sentindo dor, o estudo deixa claro que as pessoas mantêm suas obrigações. Quando questionados sobre a frequência com que as atividades deixam de ser cumpridas, apenas 6% interrompem suas responsabilidades.

“Sentimos dor devido a algum desbalanço entre estímulos dolorosos vindos do meio externo e/ou interno do organismo e também pela capacidade do corpo em lidar com eles. Quando a dor persiste por mais tempo ou não é adequadamente controlada, há impactos em áreas do cérebro que podem comprometer o humor, o bem-estar, a capacidade de raciocínio, a concentração e até a qualidade da execução das atividades do dia a dia. É como se o trabalho estivesse sendo desempenhado, mas sem ser o foco principal, comprometido pela dor”, diz a Dra. Lin.

Muitas vezes, a dor deixa de ser um sintoma ou alerta do corpo para algo que não está funcionando bem, e passa a ser a doença em si, a chamada dor crônica, acrescenta a chefe do departamento da dor da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto, que atua como professora colaboradora do University of Iowa e Wake Fores, ambas nos Estados Unidos, Dra. Gabriela Lauretti. Os pacientes acometidos por essa dor persistente, e que se prolonga há mais de três meses, apresentam distúrbios no sono, na alimentação e alterações no humor, interferindo negativamente no cotidiano. 

Autor: Vivian Lourenço

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Aumento de imposto

Edição 280 - 2016-03-01 Aumento de imposto

Essa matéria faz parte da Edição 280 da Revista Guia da Farmácia.

Deixe um comentário