Nove a cada dez meninas sofrem de ansiedade devido à pandemia

95% das meninas afirmam que a pandemia afetou suas vidas de forma negativa

De acordo com a pesquisa Vidas Interrompidas: O Impacto da COVID-19 na vida de Meninas e Jovens Mulheres, a ansiedade é o principal consequência da pandemia que comete nove a cada dez meninas no mundo.

O levantamento, que é o mais extenso deste tipo com foco no impacto da pandemia sobre as meninas, ouviu 7 mil jovens em 14 países, incluindo o Brasil, e foi realizado pela Plan International, organização humanitária de direitos de crianças e adolescentes.

As meninas eram de: Austrália, Brasil, Egito, Equador, Espanha, Estados Unidos, Etiópia, França, Gana, Índia, Moçambique, Nicarágua, Vietnã e Zâmbia.

Para as entrevistadas, com idades entre 15 e 19 anos, os medos mais prevalentes dizem respeito à sua própria saúde (33%) e ao bem-estar de suas famílias (40%).

Desse modo, quase um terço delas (26%) estava preocupada com a perda de renda familiar devido à pandemia.

Todavia, o Brasil foi um dos países onde as meninas afirmaram sofrer com mais ansiedade.

Dados da pesquisa

A pesquisa mostra, então, os desafios complexos que as meninas estão enfrentando, que vão desde o impacto em sua educação até sua capacidade de sair de casa e socializar.

  • 62% das meninas entrevistadas disseram que estavam tendo dificuldades por não poderem ir à escola ou à universidade;
  • Mais da metade (58%) das meninas está sentindo os efeitos negativos de não poder sair de casa normalmente;
  • Outros 58% destacaram o fato de não poderem encontrar as amigas como uma consequência negativa da pandemia.

Ansiedade: um dos maiores feitos colaterais da pandemia

“A Pesquisa trouxe, dessa maneira, importantes informações a respeito dos efeitos colaterais na vida das meninas e jovens mulheres durante a pandemia. É essencial que disseminemos estes resultados e possamos criar ações que minimizem estes impactos, convidando meninas e mulheres para construírem as soluções”, afirma a Diretora-executiva da Plan International Brasil, Cynthia Betti.

“Precisamos diminuir a exclusão digital, considerar o acesso a direitos sexuais e direitos reprodutivos como serviços essenciais que não podem ser descontinuados, nem durante uma pandemia, assim como serviços de proteção contra a violência baseada em gênero.

Também precisamos fornecer apoio psicológico e cuidar do retorno destas meninas e adolescentes à escola, combatendo a enorme evasão que estamos prevendo. Assim, escutamos as vozes de mais de 7 mil meninas em 14 países. Agora é nossa vez de agir, com elas e para elas”, complementa.

Divulgação da pesquisa

O lançamento oficial da pesquisa ocorre em paralelo à Assembleia Geral das Nações Unidas, em um evento on-line hoje, 23 de setembro.

Este diálogo trará uma oportunidade para as meninas destacarem suas principais demandas na resposta à COVID-19.

E, também, para que líderes mundiais possam ouvir e responder a isso.

“A pesquisa é um alerta para que os governos reconheçam que as emergências de saúde afetam os grupos de formas diferentes e o impacto potencialmente devastador das consequências disso a longo prazo, que serão sofridas pelas meninas.

Para as meninas, os riscos de ficar em casa são maiores.

Esta situação afeta, todavia, a sua saúde mental e as coloca em risco de violência doméstica”, afirma Anne-Birgitte Albrectsen, CEO da Plan International.

“Por causa das normas sociais patriarcais, que ditam que as meninas devem assumir a grande maioria do trabalho doméstico não remunerado, existe uma ameaça real de que elas sejam obrigadas a abandonar a escola e que fiquem sem estudar”, complementa.

Tristes consequências

Em todo o mundo, os crescentes encargos financeiros e o aumento da pobreza colocaram uma grande pressão sobre a renda familiar.

Isto é, com meninas e mulheres no trabalho informal aguentando os impactos da desaceleração da economia global.

Para Isobel Fergus, Gerente de Pesquisa da Plan International, meninas e jovens mulheres estão aguentando uma carga econômica, doméstica e emocional maior durante a pandemia, trabalhando mais do que nunca.

“Todos estes são componentes cruciais para o desenvolvimento acadêmico, social e pessoal de uma pessoa jovem”, diz Isobel.

A visão das brasileiras

“Alguns dos meus amigos e amigas sugeriram sites para me ajudar nos estudos, mas não tive nenhum resultado e nem sempre tenho um acesso bom à internet. A verdade é que também estou muito desanimada”, diz Deborah, de 18 anos, que está pensando em abandonar a escola por causa da pandemia. Ela vive no Piauí.

“Não é fácil lidar com a saúde mental durante a pandemia. Gosto muito de me comunicar e de sair de casa. Tenho usado técnicas de respiração e também passei a cozinhar mais. Agora estou fazendo sessões de terapia on-line, mas sinto falta do abraço e de olhar para o rosto das pessoas pessoalmente”, diz Daniele, de 20 anos, que mora em São Paulo.

A visão das meninas pelo mundo

“Minha preocupação é como posso evitar que o coronavírus afete a mim e a minha família. Passo o dia inteiro em casa. Eu não gosto de ficar aqui, porque sou a única que faz todo o trabalho domésticor”, diz Emma, de 14 anos, de Gana.

Para Deolinda, de 19 anos, de Moçambique, o isolamento social com lockdown, e não apenas o vírus, teve maior impacto sobre ela e sua família.

“Nos disseram que, para evitar a infecção por COVID-19 devemos ficar em casa e não ir à escola ou ao trabalho. Isso torna as coisas muito difíceis para mim, porque eu conto com pequenos trabalhos por aqui. É assim que sustento minha família”.

Proteção aos vulneráveis

A Plan International está levantando 100 milhões de euros para proteger algumas das crianças mais vulneráveis do mundo e suas comunidades dos impactos da COVID-19.

A resposta da Plan International, em mais de 50 países, está focada na assistência às crianças – particularmente para as meninas.

A organização está convocando as autoridades globais, regionais e nacionais para garantir que os planos de resposta à COVID-19.

E, todavia, que levem em consideração os desafios únicos enfrentados pelas meninas por causa de sua idade e gênero.

A organização também pede às autoridades que não desprezem a saúde sexual e reprodutiva e o acesso aos direitos e que façam da proteção de todas as crianças e mulheres contra qualquer forma de violência de gênero uma prioridade.

Foto: Shutterstock

Fonte: ONG Plan International

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário