Novembro azul: câncer de próstata merece atenção

Diagnóstico deve ser feito o mais rápido possível

Ainda que o câncer de próstata nunca seja uma situação simples, é possível viver bem e com qualidade de vida quando se conhece melhor a doença. Por isso, é essencial orientar corretamente sobre os fatores de risco da patologia, como idade, história familiar de incidência do tumor e até etnia.

“O câncer de próstata é uma das doenças mais prevalentes no mundo e, justamente por isso, é fundamental descobri-la o quanto antes. Com o diagnóstico precoce, nós podemos seguir com tratamentos menos invasivos, mais simples e de menor custo, ou mesmo, em muitas situações, apenas observar a doença sem a necessidade de terapia por alguns anos”, explicou o oncologista clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Arthur Maia Gomes Filho.

Idade e etnia

Idade é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de próstata. De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), homens a partir de 50 anos de idade devem procurar acompanhamento profissional. Os negros ou com histórico familiar de incidência da doença, precisam iniciar a assistência aos 45 anos, porque a população negra tem maior probabilidade de desenvolver a doença.

Manifestação

O grau de manifestação do câncer de próstata varia entre leve até muito agressivo. Ou seja, em alguns casos, a doença pode demorar anos para se desenvolver e, em outro, pode evoluir rapidamente.

Tratamento

Em casos de ocorrência mais leve do câncer, a ideia é não realizar nenhum tratamento e fazer o acompanhamento com exames ou cuidados locais, como radioterapia e cirurgia local. Cada caso deve ser avaliado pelo médico oncologista.

“A minoria dos indivíduos com câncer de próstata vão precisar de quimioterapia. Esse procedimento é necessário em pacientes com tumores agressivos, quando a doença está em fase metastática – se espalhou pelo corpo. Nesses casos, a quimioterapia feita de maneira precoce traz uma sobrevida para o paciente, ou seja, ele vai viver mais e ter uma melhor qualidade de vida”, revela o Dr. Maia Gomes.

Diagnóstico e acompanhamento

As maneiras mais comuns de diagnosticar o câncer de próstata são o antígeno prostático específico (PSA) e o exame de toque retal.

Fonte: Assessoria de Imprensa Sanofi (Imagem Corporativa)
Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário