Prevista há 13 anos, venda de medicamento fracionado fica só no papel

Proposta que visa tornar obrigatória a oferta do medicamento em frações reabriu discussão no Senado

Prevista em decreto de 2006 e resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do mesmo ano, a possibilidade de venda de medicamentos de forma fracionada, modelo que permitiria ao paciente comprar só o número de comprimidos indicado em receita médica, não é vista nas farmácias do País.

Agora, uma proposta que visa tornar obrigatória essa oferta reabriu a discussão no Senado e uma audiência pública na comissão de defesa do consumidor é prevista para este mês.

A retomada do debate preocupa farmácias e indústrias de medicamentos, que apontam risco de interrupção dos tratamentos recomendados.

O presidente-executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), Nelson Mussolini defende que o modelo atual de fracionamento traz risco à segurança dos produtos.

“Em outros países, como nos EUA, o fracionamento envolve estudos de estabilidade e é feito em área segregada na farmácia. Aqui é cortar com tesoura a embalagem. Você pode perder a estabilidade e rastreabilidade do produto. Você não sabe mais em qual lote isso foi feito.”

Entidades pró-consumidor alegam que a medida reduziria desperdício e custos ao paciente, que poderia comprar apenas o indicado na receita.

“É uma medida contra o desperdício e para prevenir a automedicação e o descarte irregular de medicamentos, um problema negligenciado”, afirma a pesquisadora em saúde do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Carolina Navarrete.

A resolução da Anvisa prevê que, para que isso ocorra, a embalagem seja fracionável, de modo que o produto não fique exposto. Já as farmácias precisariam oferecer uma embalagem secundária e seguir regras de segurança.

O CEO da Associação Brasileira Redes Farmácias Drogaria (Abrafarma), Sérgio Mena Barretodiz, que o risco de subdosagem não pode ser desconsiderado. Ele cita pesquisa do Conselho Federal de Farmácia (CFF) com o Datafolha que mostra que 37% dos brasileiros declaram já ter reduzido dose de medicamentos.

O levantamento, no entanto, também mostra que 77% dos brasileiros se automedicam — outro argumento usado para defender a proposta.

A Anvisa defende o fracionamento, dizendo que a medida pode evitar intoxicações por automedicação.

Foto: Shutterstock
Fonte: Folha de S. Paulo

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário