Álcool, remédios, exames: saiba o que pode e o que não pode fazer após ser vacinado contra Covid-19

Especialistas esclarecem dúvidas sobre as corretas atitudes após ser vacinado, como por exemplo, continuar com os cuidados de higiene, remédios, exames, entre outros

O que fazer após ser vacinado contra a Covid-19, já que o Brasil está avançando na campanha de imunização?

O professor e pesquisador do Programa de Pós-graduação em Ciências Médicas da Universidade de Fortaleza (Unifor), Keny Colares, e o Imunologista do Departamento de Patologia e Medicina Legal da Universidade Federal do Ceará (UFC),  Edson Teixeira, falam sobre o que pode ou não fazer após ser vacinado.

Quando devo tomar a segunda dose?

As vacinas utilizadas no Brasil até o momento necessitam de duas doses. O intervalo de tempo entre as aplicação varia conforme o imunizante. Veja os períodos:

  • Coronavac (Sinovac/Butantan) – intervalo de 14 a 28 dias (2 a 4 semanas)
  • Covishield (Oxford e AstraZeneca/Fiocruz) – intervalo de 4 a 12 semanas
  • ComiRNAty (Pfizer) – O Brasil recomenda intervalo de até 120 dias, mas a bula do imunizante preconiza período de 21 dias.

Há também previsão da chegada de doses do imunizante da Johnson & Johnson, que é administrativo em dose única, para a próxima semana.

O que faço se ficar doente entre a primeira e a segunda dose?

Quem está infectado com Covid-19 deve esperar um mês, a partir do primeiro dia de sintomas ou do resultado positivo para a doença, para tomar a vacina contra a doença.

O intervalo deve ser respeitado mesmo que a pessoa esteja infectada no intervalo entre duas doses. Após o período, deve procurar completar o esquema vacinal.

O professor Keny Colares explica que é recomendado que pessoas com suspeita de Covid-19 também aguardem a confirmação do diagnóstico para se vacinar, e alerta sobre a chance de falso negativo nos testes.

E se o exame der negativo?

“Tem exames que dão negativo, e a pessoa tem a doença, e tem exames que dão positivo e que a pessoa não tem a doença. Isso tem que ser interpretado pelo profissional de saúde, às vezes ele pode decidir continuar acompanhando o caso como se fosse Covid, porque os sintomas podem ser muito sugestivos“, explica.

Em relação a outras doenças, os especialistas orientam procurar acompanhamento médico e adiar a vacina principalmente em caso de febre.

Já no caso de sintomas gripais leves, que não caracterizem a Covid-19, não há contraindicações.

“Se pessoa tá com febre elevada nas últimas 24h, moleza, pode ser dengue ou Covid, esse não é um bom momento de fazer a vacina. Mas as vezes a pessoa está com rinite ou um resfriado, e se os sintomas forem muito leves, especialmente se não tiver febre, é possível fazer a vacina”, aponta Colares.

É importante concluir o esquema vacinal após a doença, ressalta o imunologista Edson Teixeira. O especialista apinta que o adiamento da vacinação, em casos de sintomas leves, é mais uma precaução.

“Para evitar que se confunda o efeito colateral da vacina com uma gripe, com um resfriado, é melhor adiar a vacina, sobretudo se houver febre. Isso se deve consultar o médico, mas não é uma contraindicação”, explica o especialista.

Quando procurar atendimento médico?

A bula das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca, por exemplo, trazem a  recomendação de procurar orientação médica antes de tomar a vacina em casos de doença aguda ou infecção com febre alta.

De modo geral, os fabricantes orientam procurar o médico nos seguintes casos:

  • Se já apresentou reação alérgica grave ou problemas respiratórios após qualquer outra injeção de vacina ou após você ter recebido o imunizante anteriormente.
  • Se tiver problemas de hemorragia ou coagulação, machuca-se com facilidade ou utilizar um medicamento.
  • para prevenir a formação de coágulos sanguíneos, ou qualquer tratamento para afinar o sangue.
  • Se tem um sistema imunológico enfraquecido, ou é um imunossuprimido, seja por uma doença ou por estar fazendo uso de algum medicamento para o tratamento de alguma doença.
  • Se está grávida ou amamentando.

Os especialistas explicam também que todos os pacientes com doenças crônicas devem buscar orientação dos profissionais que já os acompanham antes de realizar a vacinação.

A saber, o acompanhamento também pode ser necessário em casos de sintomas colaterais anormais. 

O que faço se descobrir que estou grávida após tomar a vacina?

No Brasil, grávidas são imunizadas contra a Covid-19 e estão no grupo prioritário. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) orientou a suspensão da aplicação da vacina da AstraZeneca em gestantes e puérperas no País.

A imunização, no entanto, segue com os outros imunizantes.

Embora as bulas dos imunizantes não recomendem a vacinação do grupo, estudos já mostraram que os imunizantes são seguros.

É importante procurar o profissional obstetra, que pode realizar o acompanhamento do caso.

“Acontece que ao longo da vacinação, muitas grávidas que não sabem que estão grávidas ainda acabam por se imunizar. E aí esses dados são coletados e se verifica a segurança”, explica o imunologista Edson Teixeira.

Posso tomar remédios para os sintomas colaterais das doenças?

É comum que o indivíduo apresente alguns sintomas após receber uma vacina, e procurem algum medicamento para aliviá-los. Contudo, os especialistas explicam que não há contraindicação para o uso moderado de remédios após a vacinação.

Em caso de dolorimento no local da injeção, também é possível fazer compressa morna ou gelada.

De modo geral, os efeitos adversos são bem tolerados e duram até 72h após a vacinação, conforme os pesquisadores. 

Os sintomas mais comuns são dor no local, cansaço, dor no corpo, dor de cabeça, dor nas articulações, febre moderada e enjôo.

De acordo com Keny Colares, os efeitos ocorrem porque as vacinas ativam o sistema imunológico de maneira semelhante às doenças. 

Quando consultar um médico?

O imunologista Edson Teixeira aponta sintomas incomuns que podem aparecer, como diminuição do apetite, dor abdominal, sudorese e inchaço nos linfonodos.

Caso os sinais durem mais de 72h, é recomendado procurar um médico. 

Posso ingerir bebida alcoólica após a vacinação?

Não há evidências de que o consumo de bebida alcoólica interfira na eficácia das vacinas contra Covid-19, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

De acordo com o imunologista Edson Teixeira, o consumo de álcool não tem impactos no posto de vista imunonológico.

Apenas casos de alcoolismo crônico, em que há imunossupressão, podem ter um alteração no resultado da vacinação.

“Entretanto, como são vacinas novas e não se foram testadas associações, apesar de não ter essa recomendado na bula, o estado do Ceará está solicitando pelo menos 24h de intervalo após a tomada sem ingestão de álcool”, explica Teixeira.

O consumo de uma taça de vinho ou um copo de cerveja, portanto, não é prejudicial.

Porém, o professor Keny Colares ressalta que o uso de álcool ao longo do tempo faz mal da saúde, especialmente em grandes quantidades.

Posso tomar vacinas para duas doenças ao mesmo tempo?

O Brasil realiza, ao mesmo tempo, as campanhas de imunização contra a Covid-19 e contra a gripe. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e recomenda esperar pelo menos 14 dias entre a vacinação contra Covid-19 e vacinação contra qualquer outra vacina. O intervalo é seguido pelo MS.

Proteção após a vacinação

No caso de vacinas administradas em duas doses, a proteção máxima somente após a dose de reforço.

A Pfizer, por exemplo, aponta que a proteção de seu imunizante ocorre depois de sete dias da segunda dose.

“Após 14 a 21 dias da segunda dose, o indivíduo pode ser considerado imunizado. Isso não quer dizer que não possa contrair a doença. A gente tem visto pessoas vacinadas que acabam contraindo a doença e podem ter até casos graves. Mas a probabilidade é infinitamente menor”, aponta o imunologista Edson Teixeira.

E quanto a proteção

Os especialistas ressaltam, contudo, que nenhum imunizante aprovado até o momento confere 100% de proteção.

No Brasil, onde os índices de casos e óbitos seguem em patamares altos, as pessoas vacinadas não devem abandonar as medidas de proteção, com o uso de máscaras e distanciamento social.

“A gente só vai estar seguro quando a gente diminuir a transmissão, o número de casos na nossa cidade, reduzir de uma forma muito acentuada. Enquanto tiver gente com o vírus circulando, eu não estou 100% seguro. Devo continuar usando máscaras, seguindo todas as medidas”, orienta Keny Colares

Fonte:  Diário do Nordeste

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário