Vacina de Oxford contra Covid é segura para idosos e provoca resposta imune

A vacina da Universidade de Oxford junto com a AstraZeneca é uma das quatro que estão em testes de fase 3 no Brasil

A vacina produzida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca contra a Covid-19 mostrou segurança e induziu “uma forte resposta imune” em idosos durante a fase 2 de testes, aponta um estudo publicado hoje, 19 de novembro, na revista científica “The Lancet”, uma das mais importantes do mundo. A vacina é uma das quatro que estão em testes de fase 3 no Brasil.

Os resultados preliminares dos testes já haviam sido divulgados no final de outubro, mas a publicação na revista significa que eles foram validados por outros cientistas (passaram pela chamada “revisão por pares”, ou “peer review”, em inglês). Esse passo é necessário para que qualquer estudo científico seja publicado em uma revista.

A vacina, cujo nome oficial é ChAdOx1 nCoV-19 (ou AZD1222), foi testada em 560 participantes, incluindo 240 pessoas com mais de 70 anos. A fase 2 dos testes verifica a segurança e a capacidade do imunizante de gerar uma resposta do sistema de defesa. Normalmente, ela é feita com centenas de voluntários.

“As respostas robustas de anticorpos e células T vistas em pessoas mais velhas em nosso estudo são encorajadoras. Esperamos que isso signifique que nossa vacina ajudará a proteger algumas das pessoas mais vulneráveis da sociedade, mas mais pesquisas serão necessárias antes que possamos ter certeza.”

Destaques do estudo

  • O estudo de fase 2 foi feito no Reino Unido e envolveu 560 adultos saudáveis – 160 com idades entre 18 e 55 anos, 160 com idades entre 56 e 69 anos e 240 com 70 anos ou mais.
  • Resultados mostram que a vacina é melhor tolerada em pessoas mais velhas em comparação com adultos mais jovens.
  • A vacina produz uma resposta imune semelhante em idosos e adultos jovens.
  • As reações adversas foram leves. As mais comuns foram: dor no local da injeção, fadiga, dor de cabeça, febre e dor muscular.
  • Os efeitos adversos foram menos comuns em idosos do que em adultos mais jovens.

Terceira fase de testes

Atualmente, a vacina de Oxford está na terceira e última fase de testes na Inglaterra, Índia, Brasil, África do Sul e Estados Unidos.

No entanto, em setembro, a AstraZeneca interrompeu os testes globais da vacina para investigar um participante que desenvolveu uma forma de inflamação chamada mielite transversa.

Outras três vacinas em fase 3 de ensaios clínicos também estão sendo testadas no Brasil: Pfizer/BioNTech, Sinovac (CoronaVac) e Johnson & Johnson.

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário