Venda de medicamentos deve manter ritmo de crescimento em meio à crise

Para o IMS Health, a expectativa é de alta de 8% no varejo farmacêutico

As vendas de medicamentos no Brasil ao longo de 2016 devem manter a força exibida no ano passado e seguir em trajetória de expansão, a despeito da expectativa de aprofundamento da crise econômica no País. O ritmo, porém, deve cair ao longo dos meses e, pela primeira vez em 20 anos, a taxa de crescimento poderá ficar abaixo da inflação.

Para o IMS Health, a expectativa é de alta de 8% nas vendas em reais no varejo farmacêutico, ao mesmo tempo em que o Produto Interno Bruto (PIB) deve recuar 3% com base nas estimativas iniciais de mercado.

Em 2015, em valor, as vendas subiram 14%, para R$ 75,4 bilhões. Com os descontos concedidos nas farmácias, a alta foi de 7,4%, para R$ 45 bilhões. Em unidades, a expansão também foi de 7,4%.

Para entidades que representam os laboratórios no País, porém, a projeção inicial de desempenho é otimista demais. “Acho muito difícil que se chegue a 8%. Se a indústria alcançar, vai ser motivo de muita comemoração”, afirmou o presidente-executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), Nelson Mussolini.

O desempenho de janeiro já deu mostras de que o crescimento da demanda perdeu fôlego. Com base no IMS, o sindicato calcula que as vendas das farmacêuticas no varejo, considerando-se os descontos concedidos, somaram R$ 3,52 bilhões, alta de 5,8% na comparação anual. Em unidades, o crescimento foi de 3%, para 269,3 milhões.

O câmbio em torno de R$ 4, que aumenta o gasto com princípios ativos importados, e a maior concorrência entre os laboratórios já começaram a deixar marcas nas margens da indústria e pode haver reflexo nos descontos mais à frente. Em janeiro, houve alguma redução nos descontos concedidos frente a dezembro – enquanto no mercado total os descontos alcançaram 41,9%, em genéricos ficaram em 71,6%.

Fonte: Valor Econômico
Foto: Shutterstock

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário