PDV

6 pontos de atenção para os varejos HPC e Farma ampliarem lucros com menos perdas 

Geralmente o departamento de perfumaria é um dos mais afetados para práticas criminosas

Depois do supermercadista, os varejos de perfumaria e o farmacêutico são os que mais sofrem com as perdas, interferindo nos lucros.

Isso se deve, de acordo com a Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe), pela atratividade dos produtos desses segmentos para furtos, inclusive internos, com objetivo de abastecer o mercado informal.

Geralmente o departamento de perfumaria, presente nos três setores, é um dos mais afetados para práticas criminosas.

O consumidor de farmácias e drogarias, duas classes do varejo que juntas alcançaram faturamento de R$ 58,2 bilhões em 2020.

De acordo com a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), há muito tempo deixou de ser apenas aquele que busca um medicamento.

Nesses locais é possível adquirir de um simples comprimido para dor de cabeça, passando por esmaltes, tinturas e até doces e chocolates.

Esse maior mix de produtos atrai mais compradores, mas também proporciona um aumento nas perdas.

O setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (HPC) alcançou um crescimento de 5,8% em 2020 na comparação com faturamento do ano anterior, como revelam dados Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

“Esses varejos precisam ter maturidade e a consciência de que as perdas devem ser tratadas com eficiência e profissionalismo”, afirma o gerente de Marketing da Gunnebo, Adriano Sambugaro, uma empresa proteção eletrônica para o varejo nacional.

Sambugaro diz que, sejam varejistas do setor de HPC ou de farmácias e drogarias, eles precisam alguns cuidados adicionais para reduzir as perdas e ampliar os lucros das operações.

Veja seis dicas para obter lucros com menos perdas

1. Maior atenção quando o volume de clientes no estabelecimento aumenta, especialmente em períodos de grande movimentação, como às vésperas de feriados e datas comemorativas.

2 . Mantenha arrumação das gôndolas e demais expositores de maneira permanente, pois isso permite, portanto, a rápida visualização de “buracos” causados por venda ou furto.

3 . Redobre, portanto, a atenção aos itens de maior risco, os chamados PAR (produtos de alto risco), como os desodorantes, aparelhos de barbear, shampoos e condicionadores.

4 . Tenha maior atenção no “trânsito” de pessoas entre o balcão e o caixa, essa é um momento que gera oportunidades de furtos.

5. Mantenha um processo de comunicação efetivo e preventivo entre os colaboradores, investindo também em treinamentos.

6. Faça, então, a integração entre as áreas operacionais e de recursos humanos, que devem, então, interagir de forma preventiva e ostensivamente.

Além das seis dicas mencionadas, Adriano Sambugaro lembra que é muito importante os varejistas dedicarem investimentos na aquisição de tecnologias para reduzir os índices de perdas.

“O uso de tecnologias adequadas, com equipe qualificada e as recomendações elencadas, podem reduzir as perdas em até 80%”, avisa.

 

Veja o prejuízo da farmácia ao não aplicar o reajuste dos medicamentos 

 

Fonte: Gunnebo

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário