fbpx

Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da CoronaVac

Doses chegarão prontas da China. Outras 40 milhões de unidades da vacina deverão ser produzidas pelo Instituto Butantan, que vai importar a matéria-prima

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou nesta sexta-feira (23) a importação de 6 milhões de doses da CoronaVac, vacina chinesa que deverá ser produzida pelo Instituto Butantan, em São Paulo.

No total, o governo paulista fechou contrato com a Sinovac, farmacêutica chinesa, para a aquisição das 46 milhões de doses da CoronaVac. Essas primeiras 6 milhões virão prontas da China e as outras 40 milhões serão envasadas e rotuladas no Instituto Butantan.

Mais cedo, também nesta sexta-feira, o diretor do Butantan, Dimas Covas, disse que o cronograma estipulado pelo governo de São Paulo para a produção da CoronaVac estaria mantidoindependentemente de um suposto atraso da Anvisa em liberar a importação de matéria-prima da China.

No mesmo dia, a agência negou o entrave e liberou a compra das doses, mas a questão da importação da matéria-prima ainda não foi esclarecida.

“No momento o que nos importa é a matéria-prima exatamente porque a fábrica, nossa linha de produção, está nesse momento parada aguardando a chegada dessa matéria prima”; disse Dimas Covas, em entrevista ao Jornal Nacional nesta quinta-feira (23).

O governo de São Paulo também anunciou nesta sexta-feira (23) a criação de seis novos centros para a realização de testes da CoronaVac em voluntários. Com isso, o total de locais em que a pesquisa é realizada no país aumenta para 22.

CoronaVac: 7 perguntas para entender a vacina do Butantan

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Deixe um comentário