Atendimento humanizado: pacientes com câncer devem ter direito

Libbs traz o tema para debate e ressalta a importância do acolhimento ao acometido

Tratar um paciente pelo seu nome e não como um número, ter uma relação de confiança e cuidar também da parte emocional de um acometido pelo câncer são algumas das características do chamado Atendimento Humanizado, quando não só o o tratamento medicamentoso é pensando, mas um conjunto de fatores. Pensando nisso, a Libbs Farmacêutica traz o tema para debate.

“É importante tratar o paciente como uma pessoa e não como uma doença ou como um diagnóstico. Isso é fundamental para uma boa medicina, que chega a ser um pleonasmo, porque se não é boa, não pode ser medicina”, frisa o oncologista e presidente do Conselho Científico Femama e do Instituto Viver Hoje, Dr. Ricardo Camponero.

De acordo com ele, o tratamento humanizado passa desde uma consulta com tempo suficiente para conversar com o paciente, sanar suas dúvidas e criar uma relação de confiança (um dos principais problemas do atendimento no Sistema Único de Saúde [SUS]), até dar a possibilidade de que o paciente tenha acesso a terapias que o ajudem, como acupuntura para diminuir náuseas e vômitos. E, em uma doença grave como o câncer, o apoio psicológico é tão importante quanto o tratamento medicamentoso.

Para a presidente da Sociedade Brasileira de Psico-Oncologia, Tatiana Bukstein, o acompanhamento psicológico é essencial para que o paciente faça o tratamento da melhor forma possível. Mas, tão importante quanto, é o tratamento psicológico dos familiares que, algumas vezes, podem estar mais desequilibrados que o próprio acometido.

Assim como todo tratamento, o apoio psicológico deve ser humanizado. O psicólogo deve entender qual é a dinâmica de cada família, como cada paciente gostaria de ser tratado na situação e, a partir daí, ajudá-los. Pode ter um acometido que prefira ser mais independente e outro que queira o apoio todos ao seu redor, por exemplo.

A apresentadora, cantora e ex-VJ da MTV, Sabrina Parlatore, venceu um câncer de mama e, no evento, frisou a importância principalmente de sua mãe em todo o seu tratamento. Já a youtuber Jussara Del Moral, paciente de câncer há nove anos, falou sobre como muitos jovens a procuram para conversar sobre como podem lidar com mães que estão com a doença.

Os efeitos dos medicamentos trazem mudanças hormonais que podem confundir – e muito – a vida dos pacientes (principalmente as mulheres). Por isso, o tratamento humanizado passa, também, pelas conversas sobre sexualidade. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale), Merula Steagall, a autoestima e a sexualidade da mulher devem ser trabalhadas para que ela não se sinta incapaz e possa entender, inclusive, sua falta de libido.

“A gente precisa passar de um paciente para um cliente. Porque o paciente é aquela pessoa que só recebe e o cliente pode ter uma resposta ativa no seu tratamento. Então, acho que isso pode ser um ponto também levado na humanização”, resume Tatiana.

A Libbs promoveu esse debate em evento realizado ontem (10/10), na capital paulista.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário