Farmacêuticos serão fundamentais para o acesso a Cannabis medicinal

Medicamentos formulados com Cannabis medicinal e a importância dos farmacêuticos na orientação dos pacientes no balcão foi tema da live do CFF

O Conselho Federal de Farmácia (CFF) promoveu no último sábado (19), mais uma edição da Live CFF. O do debate virtual foi “Cannabis medicinal e o farmacêutico”.

A saber, o evento contou com a mediação e palestra da farmacêutica, Margarete Akemi Kishi, integrante do Grupo de Trabalho sobre Cannabis Medicinal do CFF.

Também participaram, como palestrantes, o farmacêutico e agrônomo Euclides Cardozo e o deputado federal, Paulo Teixeira, que preside a Comissão Especial da Câmara dos Deputados para tratar do Projeto de Lei nº 0399/2015 sobre medicamentos formulados com Cannabis.

Euclides Lara Cardozo, que também compõe o GT sobre Cannabis Medicinal do CFF, apresentou aspectos históricos relacionados à mudança da visão da sociedade, aspectos agronômicos, clínicos e de qualidade da Cannabis Sativa.

Além disso, foram abordados processos extrativos e de produção de acordo com a literatura científica.

“Estamos comprometidos em levar aos colegas farmacêuticos e aos demais profissionais, informações básicas sobre essa espécie vegetal e sua utilização medicinal”, afirmou.

Como envolver os farmacêuticos no assunto Cannabis medicinal

A mediadora Margarete Akemi tratou de assuntos relacionados à farmacologia, como por exemplo, avanços na área clínica, condição regulatória no Brasil, canabinóides e sistema de endocanabinóides.

“Nós estamos tratando do uso medicinal e do acesso ao paciente, por isso a discussão da participação do farmacêutico nesse processo”, afirmou Margarete.

Esses profissionais podem realizar o acompanhamento farmacoterapêutico dos pacientes em uso de Cannabis medicinal, verificando a possibilidade de ocorrência de reações adversas ou interações medicamentosas.

“O farmacêutico tem um papel fundamental na orientação do paciente no balcão e, quando necessário, no diálogo com o prescritor”.

A farmacocinética dos fitocanabinóides e endocanabinóides também foi tema do debate.

Os produtos que estão presentes no mercado brasileiro estão regulamentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por meio da RDC nº 327/2019 e da RDC nº 335/2020, principalmente na forma oral.

“Esta última, que trata da importação direta pelo paciente, apresenta outras formas inclusive de uso externo. Então, nós já temos a forma oral, por cápsulas, em supositórios, líquidos, tinturas e para ser fumada. E, claro, é a soberania do prescritor que vai decidir qual a melhor forma farmacêutica a ser administrada”, esclareceu.

Sobre aspectos regulatórios, Margarete destacou que, no Brasil, a Lei nº 11.343/2006, a lei das drogas, inclui o cultivo da Cannabis apenas para fins médicos e científicos.

Então, não há autorização de cultivo e colheita desse produto para uso econômico e industrial.

“A nossa luta é para garantir o acesso. O valor do produto importado custa em torno de 200 dólares. Os pacientes que precisam, muitas vezes recorrem a um habeas corpus para o cultivo individual de forma legal. Ou seja, atualmente, muitos não conseguem comprar ou importar esses produtos. E nós estamos apenas querendo auxiliar o paciente que utiliza Cannabis medicinal”.

Regulamentação  

A RDC nº 327/2019 concede autorização sanitária para fabricação e importação, comercialização e prescrição, dispensação, monitoramento e fiscalização desses produtos.

“A norma deixa claro também que a dispensação deve ser feita exclusivamente pelo farmacêutico e, atualmente, ainda está proibida a manipulação, por conta da lei de narcotráfico e da Portaria nº 344/2009”, destacou.

Como regulamentação geral sanitária, Margarete citou a Lei nº 3.660/1976, que trata de registros.

E também falou da Lei 5.991/1973, que fala de comercialização de produtos em estabelecimentos de saúde no Brasil.

A farmacêutica também destacou a resolução CFF nº 680/2020, que regulamenta a atuação do farmacêutico em produtos à base de Cannabis.

“Com a RDC nº 327/2019, o conselho nos auxiliou, nos permitiu a defesa da importância de uma regulamentação e nós, hoje, podemos atuar com segurança profissional, deveres e obrigações bem definidos”, comentou.

Possível atualização e a participação dos farmacêuticos na orientação sobre o Cannabis medicinal

Margarete assinalou que a resolução atual está em harmonia com as normas vigentes, mas poderá ser atualizada.

“Quando forem permitidas, por lei, outras atividades para o farmacêutico, nós iremos ampliar a supervisão da produção, o monitoramento do cultivo e assim por diante”.

Para o deputado Paulo Teixeira, Margarete Akemi Kishi é uma referência para os parlamentares.

“Ela teve papel muito importante na regulamentação. Desde o começo, como professora da área de Farmácia, nos ajudou. Foi uma consultora, inclusive do relator, para a construção desse Projeto de Lei, que foi aprovado na Comissão Especial da Câmara. Eu acho que o que nos move nesse debate é propiciar ao Brasil estar nessa fronteira científica. Explorar esse espaço da fronteira científica, da fronteira médica, da fronteira farmacológica e da qualidade de vida para os pacientes”.

Paulo Teixeira ressaltou achar fundamental a presença dos farmacêuticos nesse debate.

“Para que não haja engano, a farmacologia tem de estar junto dessa produção e das associações. As farmacêuticas e farmacêuticos poderão ser fundamentais para que todo mundo chegue no tratamento da sua saúde. A farmacologia vai qualificar esse debate. É por isso que a legislação exigiu que cada associação tenha um farmacêutico presente, que cada prescrição tenha um médico por trás”.

De acordo com o deputado, há uma série de enfermidades para as quais, então, a medicina convencional e a farmacologia clássica não, têm, então, dado respostas.

E, de acordo com o deputado, a ciência tem constatado que, para algumas delas, não há outros medicamentos tão eficientes quanto aqueles à base de Cannabis.

“Não podemos, por preconceito, negar a essas pessoas que são portadoras dessas enfermidades, o acesso a medicamentos que têm resolvido problemas importantes das pessoas”, disse.

Contudo, entre essas enfermidades ele citou as epilepsias refratárias e o autismo.

Resultados satisfatórios

E lembrou que pacientes em quimioterapia, com Aids, glaucoma, dores crônicas, fibromialgia, enfermidades neurológicas, esclerose múltipla, parkinson, Alzheimer também têm obtido bons resultados.

E foi nessa direção que nós lançamos esse PL nº 399/2015, depois de ouvir toda a comunidade científica brasileira.

Nós ouvimos os médicos, os cientistas, os acadêmicos, os segmentos profissionais, os pacientes, as associações dos pacientes, a sociedade e demos um passo importante na aprovação na comissão.

Aprovação

No entanto, resta agora aprová-lo no plenário da Câmara, depois no plenário do Senado.

“O PL nº 399/2015 dialogou com todas as normativas da Anvisa. A doutora Margarete ajudou a trazer para dentro do projeto todas as regulamentações da Anvisa em relação a medicamentos. E quais foram as autorizações serão dadas? Primeiro, para produção de medicamentos, regulamentação para pesquisa científica, autorizarmos as farmácias de manipulação e também as associações de pacientes”.

Com a aprovação da Comissão Especial, o PL nº 399/2015 será votado, portanto, no plenário da Câmara dos Deputados.

“Esperamos que toda a sociedade brasileira seja favorável a essa matéria e solicite aos parlamentares dos seus estados que votem favoravelmente essa matéria para que o Brasil possa, então, avançar nesse ambiente da pesquisa científica inovadora no mundo e no ambiente também da qualidade do tratamento de saúde para todos os nossos pacientes brasileiros”.

78% dos brasileiros são favoráveis à cannabis medicinal 

Fonte: CFF

Foto: Shutterstock

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário