Fiocruz vai pedir registro definitivo de vacina à Anvisa até 15 de janeiro

Previsão de pedir o registro da vacina em janeiro já constava no cronograma da Fiocruz, mas data ainda não tinha sido divulgada e havia dúvidas sobre prazos

À frente de um acordo que prevê a produção de uma vacina contra Covid-19 no Brasil, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) planeja entrar com um pedido de registro do imunizante até o dia 15 de janeiro, disse na última segunda-feira (28) o vice-presidente de inovações da instituição, Marco Krieger.

Desde junho, a Fiocruz trabalha em uma parceria para transferência de tecnologia com a farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que desenvolvem a vacina.

Krieger afirma que os primeiros dados ligados à vacina começaram, então, a ser submetidos à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)  pelas empresas de forma escalonada.

“A maior parte dos dados já foram entregues, falta só a última parte de manufatura e controle que estamos finalizando para entrar. Devemos entrar [com o pedido]na semana que vem ou no mais tardar [poucos dias depois]. Nosso deadline interno é fazer isso até o dia 15 de janeiro, mas estamos com expectativa de antecipar um pouco“, afirmou.

Pedido de registro

A previsão de pedir o registro em janeiro já constava no cronograma da Fiocruz.

Mas a data ainda não tinha sido divulgada e havia dúvidas sobre o risco de haver atrasos nesse processo.

O vice-presidente de inovações confirmou, contudo, que o cronograma está mantido.

De acordo com ele, a instituição deve fazer o pedido de registro definitivo, e não o de uso emergencial.

Acordo

Atualmente, a Fiocruz tem um acordo para entregar 210 milhões de doses ao Ministério da Saúde .

Desse total, 100 milhões seriam entregues no primeiro semestre, já o restante, nos meses seguintes.

A expectativa é, portanto, iniciar a produção das doses no dia 20 de janeiro.

A presidente da fundação, Nísia Trindade, disse que a previsão era entregar 1 milhão de doses da vacina de 8 a 12 fevereiro e mais 1 milhão na semana seguinte para o Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde.

A partir de então, serão 700 mil doses diariamente.

A instituição ainda trabalha para tentar adiantar parte das doses, o que permitiria antecipar a vacinação.

Mas nas últimas semanas, a possibilidade de haver atrasos no cronograma passou, então, a ser aventada em meio a questionamentos sobre os dados de eficácia da vacina, que teve números diferentes conforme a aplicação das doses.

Dessa maneira, a situação fez com que a AstraZeneca anunciasse novos estudos.

Recentemente, a Anvisa concedeu um certificado de boas práticas de fabricação à empresa Wuxi Biologics, que fica na China, e que fornece os insumos para produção da vacina.

Pesquisador da Fiocruz alerta que casos de reinfecção por Covid-19 podem ser mais graves 

Fonte: O Tempo

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário