fbpx

Mamografia é segura e necessária

Médicos da Sociedade Brasileira de Mastologia alertam para “Fake News” que atrapalham o rastreio de casos precoces de câncer de mama no Brasil

Apenas 24,1% das mulheres entre 50 e 69 anos realizaram a mamografia pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em 2018. Os dados são da pesquisa realizada pela Rede Brasileira de Pesquisa em Mastologia em parceria com a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM). Além da dificuldade de acesso para conseguir o diagnóstico e o tratamento, a SBM alerta para o grande número de mulheres que não faz o exame porque acreditam em informações inverídicas, as famosas “Fake News”.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia, Dr. Vilmar Marques de Oliveira, o medo ainda afasta as mulheres de realizar os exames preventivos. “Há dúvidas sobre a radiação na hora do exame, periodicidade e até o desconforto com a dor. Mas podemos garantir que este é um exame seguro e o único capaz de identificar com precisão possíveis lesões”, explica o médico, completando que as mulheres podem buscar informações seguras e tirar dúvidas no site da SBM .

Ele lembra que cerca de 80% dos nódulos encontrados nas mamas tendem a ser benignos. “Por isso a importância de consultar o mastologista para que ele oriente da melhor forma. Se a mamografia detectar alguma alteração o importante é fazer o diagnóstico e iniciar o quanto antes o tratamento. Assim, evitando futuras complicações e garantindo uma boa qualidade de vida”, complementa o mastologista.

No Brasil, o rastreamento mamográfico é recomendado pelo Ministério da Saúde dos 50 anos aos 65 anos bianualmente (estratégia de menor impacto na mortalidade com melhor custo benefício e menor número de biópsias). A SBM / CBR / FEBRASGO recomendam rastreamento anual a partir dos 40 até os 75 anos. Essa estratégia é a que tem maior impacto na mortalidade e menor custo (levando em conta os anos de vida salvos com qualidade).

Foto: Shutterstock

Fonte: SBM

 

Deixe um comentário