fbpx

Saúde ocular: 80% dos problemas poderiam ser evitados com prevenção

Os cuidados dos brasileiros com os olhos ainda estão abaixo do esperado

De modo geral, os brasileiros ainda falham nas ações de prevenção da saúde ocular. O paciente não costuma ser proativo, mas, sim, reativo – principalmente quando sente que tem algo de errado com a visão ou quando acontece algum incidente envolvendo os olhos.

Contudo, segundo avalia o oftalmologista e diretor-presidente do Eye Care Hospital dos Olhos (SP), Dr. Renato Neves, aos poucos, esse quadro está mudando. “As pessoas estão tomando consciência de que enxergar bem é fundamental. A perda da visão rouba muito da qualidade de vida dos acometidos, que se retraem, perdem autonomia e passam a ser dependentes dos outros em menor ou maior medida”, comenta.
A prevenção é, de fato, fundamental. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 80% dos problemas de visão – incluindo leves, moderados, severos e graves – poderiam ser evitados. No entanto, globalmente, cerca de 1,3 bilhão de pessoas têm algum problema visual que não permite enxergar bem. Acompanhe, a seguir, algumas situações de risco para a saúde ocular.

Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)

Doença que ocorre em uma parte da retina chamada mácula, a DMRI causa a perda da visão central, impossibilitando ler, escrever, assistir à televisão ou até realizar trabalhos manuais.

Segundo o Dr. Neves, entre os tratamentos mais recentes estão as “injeções intravítreas de antiangiogênicos” – que, no Brasil, já receberam aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O principal papel dos antiangiogênicos é a interrupção da perda de visão. Embora nem todo paciente possa recuperar a visão perdida, as injeções intravítreas impedem a progressão da doença, evitando a cegueira”, reforça o médico, salientando que a detecção precoce da doença ainda é o melhor método de evitar o problema.

Glaucoma

É uma das principais causas de cegueira, ao lado da degeneração macular. Como é uma doença silenciosa e que pode ter início bem antes de o paciente entrar para a terceira idade, os exames regulares fazem parte da prevenção.

“Além do componente genético, os pais devem levar o recém-nascido ao oftalmologista se perceberem alterações importantes, como lacrimejamento constante, intolerância do bebê à luz, perda do brilho ou aumento do volume do globo ocular. Por se tratar de uma doença silenciosa, pessoas com mais de 35 anos de idade devem passar por exames periódicos de fundo de olho e campo de visão, principalmente se tiverem casos de glaucoma na família”, alerta o Dr. Neves, acrescentando que o tratamento engloba desde a prescrição de colírios específicos para tratar o glaucoma, até o uso de laser e ou a realização de cirurgias de drenagem.

Cinco passos para que os pacientes tenham uma boa visão

  1. Ter uma boa alimentação: vegetais de folhas verdes fornecem os nutrientes luteína e zeaxantina, que ajudam a reduzir o risco de doenças oculares. A vitamina A, encontrada em vegetais amarelos e alaranjados brilhantes, como cenoura e batata-doce, também melhora a saúde ocular.
    A adição de frutas, como morango, laranja e manga fornece vitamina C e outros antioxidantes, que também ajudam a combater doenças oculares.
    Por fim, o ideal é ingerir menos carne vermelha e mais peixe, pois o ômega 3 é bom para a produção de lágrimas – o que alivia os olhos secos.
  2. Visitar o oftalmologista regulamente: fazer um exame oftalmológico regular é a única maneira de detectar uma variedade de problemas, como glaucoma ou retinopatia diabética.
    A maioria das pessoas com problemas de visão deve consultar o oftalmologista uma vez por ano.
  3. Cessar o tabagismo: quem fuma deve buscar ajuda para parar com este hábito e quem não fuma não deve sequer aceitar ser um “fumante passivo”.
  4. Usar óculos de sol sempre: essa deve ser uma prática, inclusive, em dias de chuva. Isto porque, assim como acontece com a pele, os efeitos dos raios ultravioleta UVA e UVB são cumulativos e vão comprometer quem se expuser demais ao sol indevidamente ao longo do tempo.
  5. Utilizar computadores e celulares moderadamente: a luz de LED desses aparelhos prejudica a visão, reduzindo a produção de lágrimas e aumentando as chances de irritação, inflamação e até mesmo de infecção ocular.

Fonte: oftalmologista e diretor-presidente do Eye Care Hospital dos Olhos (SP), Dr. Renato Neves

A importância dos higienizadores de lentes de contato

A correta higienização das lentes de contato é fundamental para evitar irritações e infecções que podem comprometer a saúde dos olhos. “As lentes de contato permanecem diretamente nos olhos boa parte do dia e uma contaminação destas pode afetá-los”, adverte a supervisora de treinamento do Teuto, Magali Tamas.

Os higienizadores têm formulações desenvolvidas especialmente para a manutenção adequada das lentes, sendo capazes de lubrificar, desinfetar, limpar e regular o pH do produto. Portanto, nunca podem ser substituídos pelo soro fisiológico.

“Diferentemente das soluções para lentes de contato, o soro fisiológico não desinfeta, conserva ou possui agentes de limpeza de germes e bactérias. Por isso, é importante alertar o cliente sobre os riscos que ele corre ao usar soro fisiológico para este fim”, justifica o diretor da unidade de negócios Vision Care da Alcon, António Mendes.

Síndrome do Olho Seco

Mais comum do que se pode imaginar, a Síndrome do Olho Seco acomete cerca de 10% das mulheres na faixa etária dos 50 anos, provocando vermelhidão, dor e sensação de haver areia nos olhos.

“A doença se manifesta de uma forma bastante agressiva para alguns pacientes, afetando a qualidade e a quantidade de lágrimas que normalmente lubrificam o globo ocular e permitem seu funcionamento normal”, comenta o oftalmologista do Hospital dos Olhos, alertando que, quando não tratada, a doença pode evoluir para ulceração da córnea ou, até mesmo, perda de visão.

O tratamento de olho seco costuma ser individualizado, já que vários podem ser os agravantes da doença. “Normalmente, os pacientes têm de fazer uso de lágrimas artificiais ou mesmo de pomadas, em casos mais graves”, constata o Dr. Neves.

Entre lubrificantes oculares e vitaminas. Entenda as funções

VITAMINAS FAVORÁVEIS AOS OLHOS

As vitaminas como a A, C e E possuem, entre outros efeitos, ação antioxidante, que protegem as células do ataque dos radicais livres que poderiam danificá-las.

Os carotenoides, como a luteína e a zeaxantina, ajudam na proteção contra doenças, como a degeneração macular e
a catarata.

O ômega 3 tem ação antioxidante com efeito neuroprotetor e anti-inflamatório na retina.

PAPEL DOS LUBRIFICANTES OCULARES

Atuam na reposição da lágrima natural, oferecendo melhora da lubrificação e proporcionando conforto imediato, protegendo, preservando e melhorando a superfície do olho.

PRINCIPAIS SINTOMAS DO OLHO SECO
  • Vermelhidão.
  • Queimação.
  • Coceira.
  • Ardência.
  • Irritação.
  • Sensação de areia nos olhos.
  • Lacrimejamento.
  • Desconforto.
  • Olhos cansados.
  • Visão turva e embaçada.

Fontes: diretor da unidade de negócios Vision Care da Alcon, António Mendes; e supervisora de treinamento do Teuto, Magali Tamas

Catarata

Acomete cerca de 50% das pessoas ao redor dos 70 anos de idade, podendo ser diagnosticada também em pacientes mais jovens. O cristalino, lente natural localizada no interior dos olhos, se opacifica com a idade e leva a sintomas que incluem ofuscamento às luzes, perda de contraste e diminuição de visão.


“Após sua retirada, implanta-se uma lente em seu lugar. Atualmente, a cirurgia é feita sem internação, sob anestesia de colírios e leva cerca de dez a 15 minutos”, sinaliza o oftalmologista.

Oportunidades ao canal farma

Nas gôndolas, a exposição adequada de produtos voltados para a saúde dos olhos deve priorizar locais de fácil visualização e de forma segmentada. “Soluções de desinfecção multipropósito para lentes de contato, produtos umidificantes, vitaminas oculares, entre outros produtos sem prescrição médica para olhos devem ser expostos na mesma gôndola”, ensina o diretor da unidade de negócios Vision Care da Alcon, António Mendes, alertando sobre os riscos de confinamento dos produtos.

“Sabemos que algumas farmácias são pequenas, mas é importante reforçar que quanto mais os produtos dessa categoria ficarem do lado de fora do balcão, nas gôndolas, maior a oportunidade de venda.”

É igualmente importante possuir uma equipe de atendimento bem preparada. “Os colaboradores da loja devem ter conhecimento para orientar o consumidor de forma correta sobre o uso, os benefícios e as diferenças entre os produtos disponíveis”, aconselha a supervisora de treinamento do Teuto, Magali Tamas.

Foto: Shutterstock

Coronavírus: saúde global em alerta

Edição 328 - 2020-03-03 Coronavírus: saúde global em alerta

Essa matéria faz parte da Edição 328 da Revista Guia da Farmácia.