Destaques & lançamentos

Perda de peso é apontada como nova prioridade no tratamento do diabetes tipo 2 por sociedades internacionais

A proposta também deverá chegar ao Brasil

A perda de peso está sendo apontada mundialmente como um dos principais passos para evitar a progressão do diabetes tipo 2 e garantir o controle da glicemia.

A informação começou a ser divulgada no início do mês de junho, durante o 82nd Scientific Sessions of the American Diabetes Association, realizado no Estados Unidos, onde as Sociedades Americana e Europeia de Diabetes propuseram um novo algoritmo, orientado que o tratamento da obesidade é o passo inicial para o tratamento do diabetes tipo 2 e, consequentemente, para reduzir os índices glicêmicos.

Dessa maneira, um novo algoritmo significa rever as diretrizes que irão guiar o tratamento de uma doença, principalmente de doenças crônicas como diabetes tipo 2.

Os algoritmos – publicados anualmente pela Sociedade Americana de Diabetes – regulam desde o tratamento nos consultórios e chegam até a revisão de políticas públicas para o tratamento do diabetes tipo 2 no país.

Isso inclui o passo a passo dos cuidados, como será a infraestrutura e a ordem de condutas, sejam elas clínicas ou cirúrgicas.

A saber, a proposta também deverá chegar ao Brasil, que comemora no dia 26 de junho o Dia Nacional do Diabetes.

“As novas diretrizes são revistas e publicadas anualmente pela Sociedade Americana e, com toda certeza, servirão como ponto chave para a publicação das novas diretrizes brasileiras em breve”, explica o médico endocrinologista André Vianna, que também é coordenador do departamento de educação da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

De acordo com ele, sempre se soube que a obesidade era o fator fundamental, bem como a tarefa mais desafiadora para uma pessoa com diabetes tipo 2.

“No entanto, apenas agora está sendo colocado este fator em primeiro lugar”, destacou o endocrinologista.

Embasamento científico

A mudança proposta pelas Sociedades Americanas e Europeia de Diabetes, utilizaram como base um estudo científico, publicado em setembro de 2021, na revista The Lancet, importante periódico internacional, demonstrou que naqueles pacientes portadores de diabetes associados à obesidade, a perda de peso é o primeiro passo para controle da glicemia e para evitar a progressão da doença e de suas complicações, como a insuficiência renal e eventos cardiovasculares, como infarto do miocárdio e Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Os novos agentes farmacológicos, apesar de ainda com estudos com curto tempo de seguimento, têm resultados excelentes em relação à perda de peso e controle da glicemia.

Todavia, como acontece com qualquer tratamento médico, existem pacientes que não têm a resposta esperada ao tratamento medicamentoso.

Assim, para aqueles onde o melhor tratamento não consegue o objetivo, a cirurgia metabólica aparece com destaque no novo algoritmo proposto.

O artigo do The Lancet contou com a participação do Dr. Ricardo Cohen, Coordenador do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, além de pesquisadores dos EUA, Austrália e Irlanda.

“Esta é a primeira vez que a perda de peso é mencionada como passo inicial no tratamento do diabetes tipo 2 para que depois haja redução na glicemia, ou seja, o emagrecimento foi apontado como a principal ferramenta para interromper a evolução da doença a longo prazo”, afirma, então, o coordenador do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e um dos autores da publicação, Dr. Ricardo Cohen.

Dados 

Recentemente, a Federação Internacional de Diabetes (IFD) publicou a 10ª edição do Atlas do Diabetes.

Os dados mostram o crescimento da doença e colocam o Brasil no ranking entre os países em que há maior prevalência e despesas com tratamento.

Neste ano, o custo estimado do diabetes no Brasil é de 42,9 bilhões de dólares, ficando atrás apenas da China e Estados Unidos, com US$ 165,3 bi e US$ 379,5 bi, respectivamente.

Ainda de acordo com o  relatório, o Brasil é o sexto país do mundo com o maior número de pacientes com diabetes.

São cerca de 15,7 milhões de pessoas convivendo com a doença. Até 2045, a estimativa é que tenhamos no país cerca de 23,2 milhões de pacientes.

Por ser uma doença que não apresenta sintomas em sua fase inicial, o diabetes é difícil de ser diagnosticado.

A nova edição do Atlas estima que só no Brasil cerca de 5 milhões de pessoas não saibam que estão com diabetes.

Sobrepeso e obesidade são fatores de risco

Estima-se que 90% dos casos de diabetes no mundo sejam do Tipo 2.

Apesar da genética ter uma forte influência no desenvolvimento da doença, o sobrepeso e a obesidade são os principais motivos do crescimento deste tipo de diabetes no mundo.

O tratamento para o diabetes tipo 2 inclui tratamento clínico, mudanças no estilo de vida, prática de exercícios físicos e a introdução de uma dieta adequada.

Pacientes com IMC acima de 30, por exemplo, que não estão obtendo resultados com mudanças no estilo de vida e medicamentos podem ter indicação para a cirurgia metabólica.

Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD)

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário