PróGenéricos tenta na Justiça barrar o aumento de ICMS sobre genéricos

A entidade questiona o decreto do governador João Dória que elevou de 12% para 13,3% a alíquota do Icms sobre os genéricos em São Paulo e eliminou o subsídio aos medicamentos oncológicos

A Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos) entrou na guerra judicial para reverter o aumento alíquota do ICMS sobre os medicamentos genéricos no Estado e garantir a isenção do imposto estatual para os medicamentos oncológicos.

A entidade foi admitida, como amicus curiae, na ação movida pelo Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) que questiona o decreto do governador João Dória que elevou de 12% para 13,3% a alíquota do ICMS sobre os genéricos em São Paulo e eliminou o subsídio aos medicamentos oncológicos, que passarão a recolher 18% de ICMS a partir de janeiro, no Estado.

A ação questiona a legalidade das alterações tributárias promovidas por meio de decreto pelo governo paulista.

O aumento de alíquotas do ICMS, de acordo com a ação, só poderia ter sido realizado por meio de Lei específica aprovada pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

Lei 17.293

Em outubro, a Alesp aprovou a Lei 17.293, com o pretexto de promover reforma fiscal do Estado.

Além de ter autorizado o governo de São Paulo a aumentar alíquotas do ICMS por meio decreto, confrontado, assim, a Constituição do Estado de São Paulo e a Constituição Federal, que exige lei específica para aumento dessa natureza (Princípio da Legalidade).

De acordo com os dados do IQVIA, instituto que monitora o varejo farmacêutico no país, 41,1% dos medicamentos consumidos em São Paulo são genéricos.

O aumento de alíquota terá quer ser repassado aos consumidores, de acordo com a executiva.

As indústrias já estão pressionadas pelo aumento do dólar, aumento das matérias primas e não conseguirão absorver mais este impacto de custos”, diz a presidente da PróGenéricos, Telma Salles.

Prejuízo para o consumidor

Assim, o aumento do ICMS para os genéricos vai pesar no bolso do consumidor.

A Rosuvastatina, por exemplo, utilizada para o controle do colesterol, deve sofrer aumento de 5,60% com a nova alíquota.

Já a Lozartana, por exemplo, usada para controle da pressão arterial, deve ter aumento de 3,80%.

“Trata-se de um retrocesso e de um desmonte da política de acesso a medicamentos que vem sido construída no país ao longo dos últimos anos”, completa Salles.

Benefícios dos genéricos

Os genéricos são o principal instrumento de acesso a medicamentos no país.

Por lei, eles custam 35% menos que os medicamentos de referência.

Mas os descontos praticados pela indústria podem chegar a até 80%, dependendo da classe terapêutica avaliada.

“Os genéricos são especialmente importantes para o tratamento de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e colesterol alto. Aumentar a carga significará reduzir o acesso dos pacientes a estes tratamentos”, aponta Salles.

Vendas de genéricos crescem 11% no 3º trimestre de 2020 

Fonte:  PróGenéricos

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário