Pessoas que já contraíram Covid-19 precisam de apenas uma dose da Pfizer para proteção contra variantes, diz estudo

Pesquisadores do Imperial College London analisaram mutações que emergiram no Reino Unido e na África do Sul, mas acreditam que resultado também vale para as surgidas no Brasil e na Índia

Pessoas que já contraíram Covid-19 precisam de apenas uma dose da vacina desenvolvida pela Pfizer para proteção contra as variantes do Sars-CoV-2.

A descoberta é de um estudo realizado por pesquisadores do Imperial College London, Queen Mary University of London e University College London, publicado hoje na revista Science.

No entanto, aqueles que não foram previamente infectados, e até agora receberam apenas uma dose da vacina, a resposta imune às variantes preocupantes pode ser insuficiente.

Afirma a pesquisa, potencialmente deixando-os, assim, em risco de contrair a doença.

Contudo, as descobertas analisaram as respostas imunológicas em profissionais de saúde do Reino Unido em hospitais Barts e Royal Free após sua primeira dose da Pfizer/BioNTech.

Amostras de sangue foram analisadas quanto a presença e os níveis de imunidade contra a cepa original do Sars-CoV-2.

Bem como as variantes que emergiram no Reino Unido (B.1.1.7) e na África do Sul (B.1.351).

Junto com os anticorpos os pesquisadores também se concentraram em dois tipos de glóbulos brancos:

Células B, que “lembram” o vírus; e células T, que ajudam a memória das células B e reconhecem e destróem as células infectadas com coronavírus.

Eles descobriram também que, após uma primeira dose da vacina, a infecção anterior estava associada a uma resposta de células T, células B e anticorpos neutralizantes reforçados.

O que poderia fornecer proteção eficaz contra o Sars-CoV-2, bem como as variantes predominantes no Reino Unido e na África do Sul.

Em pessoas sem infecção prévia por Sars-CoV-2, no entanto, uma única dose de vacina resultou em níveis mais baixos de anticorpos neutralizantes contra Sars-CoV-2 e as variantes.

Potencialmente deixando-os vulneráveis à infecção, o que sublinha a importância da segunda dose da vacina.

A equipe analisou duas variantes preocupantes.

Variantes

Dessa maneira, os pesquisadores acreditam ser possível que os resultados se apliquem a outras variantes em circulação.

Como por exemplo as variantes que emergiram no Brasil (P.1) e na Índia (B.1.617 e B.1.618).

“Nossos dados mostram que a infecção natural por si só pode não fornecer imunidade suficiente contra as variantes. O reforço com uma única dose de vacina em pessoas com infecção anterior provavelmente, sim. À medida que novas variantes continuam a surgir, é importante acelerar o lançamento global de vacinas para reduzir a transmissão do vírus e remover as oportunidades para o surgimento de novas variantes” afirma a professora de Imunologia e Medicina Respiratória do Imperial College London, Rosemary Boyton.

Brasil recebe 1º lote da vacina da Pfizer 

Fonte: O Globo

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário