Abrafarma é a nova integrante do Conselho Consultivo do Instituto Ética Saúde

O Grupo de Trabalho de Órteses e Próteses do Ministério Público Federal (MPF), que tem como objetivo estudar as práticas do setor saúde, também foi destaque da reunião

A 20ª Reunião do Conselho Consultivo do Instituto Ética Saúde, realizada no dia 10 de novembro, começou com as boas-vindas a Associação Brasileira Redes Farmácias Drogaria (Abrafarma), nova integrante do grupo.

“Com essa representatividade, conseguimos entender tudo que acontece na cadeia de saúde para propormos as melhores ações éticas”, destacou o presidente do Conselho de Administração, Eduardo Winston Silva.

O executivo de Relações Institucionais do IES, Carlos Eduardo Gouvêa, apresentou as últimas ações, então, do Instituto:

  • Com destaque para a nova Plataforma de Educação e Compliance para associados e o Marco de Consenso Ético, que já tem 28 entidades aderentes de maneira formal.
  • Agenda dos próximos eventos.
  • Os destaques na imprensa.
  • Os acordos de cooperação em andamento.
  • E o cronograma de lançamento do ‘Índice de Percepção da Corrupção no Setor da Saúde’, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), previsto para março de 2022.

O Grupo de Trabalho de Órteses e Próteses do Ministério Público Federal (MPF), que tem como objetivo estudar as práticas do setor saúde, também foi destaque da reunião.

A secretária executiva do Instituto, Cibele Martins, ressaltou que um Manual de Investigação está sendo elaborado para distribuição junto aos MP de todos os estados do Brasil, com a participação da Associação Nacional do Ministério Público de Defesa da Saúde (Ampasa), que tem acordo de cooperação firmado com o IES.

“As entidades aqui do Conselho Consultivo podem mandar cases para nós que o encaminharemos para o grupo debater”, convidou Carlos Eduardo Gouvêa.

Lei de improbidade administrativa

Boa parte da reunião foi dedicada às mudanças promovidas pela Lei n° 14.230/21, sancionada, então, em outubro, que flexibiliza a Lei de Improbidade Administrativa.

O membro da diretoria do Conselho de Administração, Marcos Machado, anunciou que o Instituto Ética Saúde vai encaminhar, nos próximos dias, carta ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, reivindicando que sejam adotadas todas as medidas necessárias para garantir, portanto, a efetividade dos preceitos normativos no combate à corrupção.

 Na avaliação do membro do Conselho de Ética, Antonio Fonseca, o STF deve impugnar ‘a exclusão do ato culposo como improbidade’ e a ‘exclusividade do Ministério Público para propor ação de improbidade administrativa’.

Dessa maneira, também ressaltou que a nova lei não atinge a atuação do IES e também a aplicação das suas Instruções Normativas.

“A Lei 14.230 não flexibilizou o tratamento das condutas dos associados que atuam no relacionamento com o poder público. Inclusive, o distribuidor, ao negociar com o poder público, pode alegar a Lei 12.846 para exigir determinado modo de agir da autoridade”.

No encerramento, o presidente do IES voltou a colocar o Canal de Denúncias a disposição de todos.

“O Instituto não tem a prerrogativa de punir nenhum agente por desvios éticos. Mas, a partir das denúncias, o Conselho de Ética pode gerar ações específicas para combater/repudiar más práticas. E, neste sentido, haverá consequências”, finalizou.

Abrafarma Future Trends 2021 destaca a digitalização da farmácia no pós-Covid 

Fonte: Abrafarma

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário