Destaques & lançamentos

Compra da CoronaVac pelo Governo Federal será julgada no próximo dia 16

Para o Supremo Tribunal Federal (STF), o julgamento das ações que se referem a compra da vacina CoronaVac é de caráter urgente. O julgamento será por videoconferência

Está pautado para o próximo dia 16, no Supremo Tribunal Federal (STF), ação que discute a compra de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac. O caso estava pautado para julgamento em plenário virtual que se iniciaria hoje, se não fosse um pedido de destaque do presidente Fux.

O relator da ação, ministro Lewandowski, pautou em lista a ação, que poderá ser apregoada e julgada por videoconferência. Veja o relatório da ação:

Para o Ministro Lewandowski, o julgamento das ações, ainda neste ano, é de caráter urgente para o resguardo da vida de centenas de milhares de brasileiros em face da pandemia do corona vírus e também da necessidade de um plano eficaz de vacinação.

O autor da ação é o partido Rede Sustentabilidade, o qual pretende compelir o governo Federal a adquirir 46 milhões de doses da vacina chinesa.

Em outubro, o Ministério da Saúde sinalizou a intenção de comprar a CoronaVac, mas logo depois, o presidente Bolsonaro afirmou que as doses não seriam adquiridas, alegando necessitar de “comprovação científica pelo MS e certificação pela Anvisa”.

Percalços

No começo de novembro, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu os testes da vacina alegando que houve “erro adverso grave”, mas não explicou detalhes da suspensão.

Após repercussão, o diretor-presidente da Agência, Antonio Barra Torres, disse, então, em coletiva que a decisão de suspender os testes foi “técnica” e, dessa maneira, baseada no fato de que as informações repassadas pelo Instituto Butantan eram “insuficientes” e “incompletas”.

O presidente Jair Bolsonaro respondeu a um seguidor no Facebook comentando a suspensão dos testes. O internauta questionava se Bolsonaro compraria a vacina caso fosse segura. O presidente, então, respondeu à pergunta falando que “ganhou mais uma” e colocou publicação da suspensão dos testes.

“Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Dória queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, publicou.

Posteriormente, a Anvisa autorizou a retomada dos estudos da Coronavac.

A instituição comunicou que após avaliar os novos dados apresentados, entendeu que tem subsídios suficientes para permitir a retomada da vacinação.

Mesmo sem aval da Anvisa, lei permite a Doria vacinação de paulistas 

Fonte: Migalhas

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário