Farmazon desenvolve aplicativo de entrega de medicamentos

O aplicativo da Farmazon, que contou com um investimento de mais de um milhão de reais, conecta o consumidor a entregadores e estes ao estabelecimento mais próximo

Após 15 meses de investimento, a Farmazon lança seu aplicativo de entregas, que projeta alcançar mais de 800 farmácias até o final do ano.
Inspirado nos aplicativos de entrega, a empresa focará no grande varejo e em redes de médio e pequeno porte.

O aplicativo da Farmazon contou com um investimento de mais de um milhão de reais, de tal forma que ele conecta o consumidor a entregadores e estes ao estabelecimento mais próximo. A promessa é entregar remédios isentos de prescrição, artigos de higiene pessoal e cosmética em cerca de 40 minutos.

O aplicativo já está em uso nas zonas sul e oeste do Rio de Janeiro e agora iniciou a expansão para a região metropolitana e o interior do estado. Para que isso acontecesse, a Farmazon firmou parcerias com a Drogaria Cristal e a Drogarias Carioca para viabilizar o projeto.

Atualmente, o sistema da Farmazon reúne em torno de 150 farmácias e mais de 30 mil produtos.
“As próximas praças no radar são Distrito Federal, Minas Gerais e São Paulo. Mas vamos olhar para todas as regiões do país, pois esse é um negócio construído para ter escala”, observa o CEO da empresa, Rodrigo Robledo.

De olho no futuro

A meta é alcançar a marca de 500 mil downloads até o final do ano. Robledo avalia que as farmácias de menor porte são as que podem observar uma melhor relação custo-benefício. As drogarias pagam para a Farmazon uma comissão de vendas de 5%, que inclui a taxa da máquina de cartão. “Para manter uma estrutura própria de entrega, as lojas têm uma despesa média mensal de R$ 10 mil. Esse valor considera dois entregadores e a confecção de ímãs e panfletos”, pontua.

A diferença em relação aos players do setor de entregas, como iFood e Rappi, é que, há uma etapa manual. Essa etapa é realizada por 15 colaboradores. Por meio de um call center, a equipe confirma as informações, triangula a operação e monitora os pedidos. A empresa conta com um farmacêutico para tirar eventuais dúvidas por telefone. Nesses primeiros meses de operação, a entrega custa R$ 6,90 e está sendo subsidiada pela Farmazon. Mas futuramente o preço ao consumidor deverá variar de R$ 5,00 a R$ 10,00. “Quando o serviço ganhar escala, a ideia é devolver ao cliente eventuais diferenças de preços na forma de cashback”, revela Robledo.

Foto: Shutterstock
Fonte: Mundo do marketing

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário