Aumenta a procura por aparelhos de pressão

A comodidade e a preocupação com doenças cardiovasculares fazem crescer a demanda por medidores de pressão que possam ser usados no dia a dia do paciente. Farmácia é principal canal da categoria

Aproximadamente 38 milhões de brasileiros sofrem de hipertensão, mas somente 23% deles fazem o controle correto da patologia, de acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH). É essa lacuna que os medidores de pressão ajudam a diminuir, permitindo que o paciente possa fazer o controle de maneira simples e sem o auxílio de um profissional de saúde.

Somente no Brasil, são vendidos cerca de dois milhões de unidades de medidores de pressão por ano em farmácias, sendo o principal canal de venda dos produtos.

“Os monitores de pressão são itens necessários em qualquer farmácia, justamente por tratarem de questões de saúde, como pressão arterial e problemas cardíacos. As farmácias podem trabalhar, principalmente, na conscientização”, explica o diretor executivo da Incoterm, Andreas Weimer. 

Olhando para essa oportunidade, a indústria busca facilitar cada vez mais o uso desses aparelhos para o consumidor, uma vez que ele deseja conforto e praticidade. São mais comuns os medidores compactos e de fácil utilização.

“As vantagens de ter um monitor em casa são muitas, como a praticidade em horários, melhor acompanhamento e conforto na medição em seu ambiente e também as memórias que os medidores de pressão possuem, auxiliando na gravação do histórico para um melhor diagnóstico médico”, cita.

Para a gerente de marketing da Omron, Manuela Nobre, a facilidade de uso é um dos principais fatores decisórios de compra. Enquanto os medidores de braço são mais comuns nos aparelhos hospitalares, quase 100% dos medidores de pulso são comprados por quem quer usar em casa.

 Como funcionam

Os monitores funcionam por meio do método oscilométrico, em que um sensor capta a movimentação da pulsação nas artérias e um algoritmo matemático converte esse movimento mecânico em dados de pressão arterial. 

Para o consumidor, modelos totalmente automáticos são práticos e seguros, pois basta posicionar a braçadeira corretamente na área indicada do corpo, apertar o botão de início e aguardar o resultado final da pressão arterial. 

Fonte: gerente de marketing da Accumed, Pedro Henrique 

“Ainda que seja mais confortável para um médico dizer, os medidores devem ser usados após 20 minutos sem movimentações bruscas. O paciente deve estar sentado ereto e, em especial com o medidor de pulso, o antebraço deve estar na altura do coração, para que o aferimento seja feito com precisão”, explica ela.

Ter um sensor que diga se o braço está na posição correta é uma das tecnologias que estão sendo embarcadas nos produtos, para que o paciente tenha segurança de que as medidas apresentadas são confiáveis. Há a preocupação, também, em oferecer itens que sejam mais confortáveis e que não apertem demais na hora de aferir a pressão. 

E se o futuro é estar conectado, os aparelhos eletrônicos de saúde não ficariam de fora. Em 2019, a Omron lançará um monitor de pressão conectado ao smartphone.

“Com ele, o paciente poderá guardar o seu histórico e entregá-lo a seu médico com mais facilidade. A ideia não é que o paciente deixe de ir ao consultório, mas que, junto com seu médico, tenha ainda mais controle sobre sua pressão arterial”, revela Manuela.

Além disso, o gerente de marketing da Accumed, Pedro Henrique, cita os aparelhos que possuem diversas funções incorporadas, como detectores de arritmia, gráficos indicadores de potencial de hipertensão e conectividade com computadores. 

Visibilidade é ponto forte

Para melhor desempenho de vendas na categoria, a exposição é um fator muito importante. A gerente de marketing da Omron explica que a ajuda do balconista ou farmacêutico é essencial para informar e ajudar nas vendas dos produtos, por isso os produtos devem estar expostos no balcão.

“Quando o consumidor pode experimentar o medidor, ele tem uma experiência que ajuda na decisão de compra. Ações de demonstração também ajudam na compra por impulso, quando o consumidor não vai à farmácia para comprar o aparelho, mas acaba levando-o”, frisa ela.

Os medidores de pressão devem ficar em locais visíveis, como gôndolas, balcões ou checkout, uma vez que o giro do produto é mais rápido e elevado devido ao autosserviço e à exposição. O ideal é que estejam juntamente com produtos e medicações que tratam da pressão arterial e dos cuidados similares.

O executivo da Incoterm complementa falando sobre a importância do estoque regulador, normalmente entre quatro e seis unidades por modelo de aparelho de pressão digital/analógico, pulso/braço.

“Esse número varia de acordo com o ponto de venda (PDV), há farmácias que já perceberam a boa performance que os medidores significam em seu tíquete médio”, finaliza. 

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
As farmácias na adesão ao tratamento

Edição 298 - 2017-09-01 As farmácias na adesão ao tratamento

Essa matéria faz parte da Edição 298 da Revista Guia da Farmácia.

Deixe um comentário