fbpx

Homeopatia de A a Z

O que é a homeopatia, como atua e quais doenças pode tratar

A princípio, toda doença pode ser tratada com homeopatia, sendo que o método é muito procurado para doenças alérgicas, respiratórias em pediatria e emocionais, como ansiedade, depressão, entre outros.

“A homeopatia é uma especialidade raiz, ou seja, tem atuação em todas as outras especialidades, em determinadas patologias como coadjuvante do tratamento convencional, seja clínico ou cirúrgico”, diz o Dr. Siqueira.

Em casos de doenças como o câncer, por exemplo, quando o paciente se submete a um tratamento, muitas vezes agressivo ao organismo, a homeopatia pode entrar como tratamento complementar.

O medicamento homeopático é preparado em doses mínimas, ditas infinitesimais, de modo que, na sua utilização, não são desenvolvidos efeitos colaterais nem há contraindicações registradas.

“Nesses casos, ela atua para melhorar as reações adversas geradas pela quimioterapia e radioterapia, como a perda de apetite, enjoos, reações dermatológicas, sem contar, claro, com o equilíbrio emocional do paciente”, comenta a farmacêutica e coordenadora da Comissão Assessora de Homeopatia do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP), Dra. Márcia Borges.

Segundo ela, o medicamento homeopático pode ainda ser usado em conjunto com os alopáticos, quando há essa necessidade. “O importante é que o prescritor homeopata saiba sobre os medicamentos que o paciente está fazendo uso. Existem aqueles que são essenciais à vida de alguns pacientes. O que pode ocorrer, em apenas alguns casos, é o prescritor homeopata, aos poucos, a depender da evolução do quadro, retirar ou substituir alguns medicamentos alopáticos por homeopáticos”, diz.

Quando utilizada em conjunto, a homeopatia contribui na ampliação do entendimento do processo saúde-doença e da terapêutica. “A homeopatia não vê o ser humano apenas com um conjunto de órgãos dissociados. Com uma abordagem mais globalizante, nós consideramos os diversos aspectos da individualidade humana (psíquicos, emocionais, socioambientais, climáticos, alimentares, etc.) como parte constituinte ou desencadeadora dos distúrbios orgânicos”, diz o Dr. Siqueira.

Já o tempo de resposta do organismo ao tratamento homeopático não deve ser visto como moroso, pelo contrário, esse é um mito relacionado a essa terapêutica.

Segundo ele, isso acontece porque a interação entre esses diversos fatores interfere no adoecer e no estar saudável. “A homeopatia se propõe a atuar nessas diversas esferas de forma integrada, englobando as diferentes suscetibilidades do indivíduo no diagnóstico do desequilíbrio vital e na escolha do medicamento homeopático”, comenta.

O medicamento homeopático é preparado em doses mínimas, ditas infinitesimais, de modo que, na sua utilização, não são desenvolvidos efeitos colaterais nem há contraindicações registradas.

Já o tempo de resposta do organismo ao tratamento homeopático não deve ser visto como moroso, pelo contrário, esse é um mito relacionado a essa terapêutica. “A homeopatia é uma terapia reacional e isso pode ser entendido da seguinte forma: a ação do medicamento desperta a reação do organismo. Ao iniciar essa reação curativa, o tempo de tratamento e a cura são dependentes da capacidade do organismo. O que se observa é que em uma medicação bem indicada, mesmo em casos considerados graves ou em casos agudos, o paciente pode responder rapidamente às primeiras doses do medicamento”, explica a diretora farmacêutica da Boiron do Brasil, Maria Isabel de Almeida Prado.

Com uma abordagem global, a homeopatia trata o doente e a doença, estimulando o organismo a responder ao tratamento e se reequilibrar.

Marco histórico

Edição 300 - 2017-11-01 Marco histórico

Essa matéria faz parte da Edição 300 da Revista Guia da Farmácia.