fbpx

Ministério da Saúde reconhece alimentação de crianças vegetarianas e veganas

O novo Guia Alimentar do Ministério da Saúde para Crianças Brasileiras Menores de Dois Anos traz duas páginas sobre crianças vegetarianas e veganas

A nova edição do Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de Dois Anos traz, pela primeira vez, informações detalhadas aos pais que decidirem optar por uma alimentação vegetariana ou vegana. O material foi elaborado com contribuições científicas feitas pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB).

Além da classificação de cada regime alimentar (vegetariano, ovovegetariano, ovolactovegetariano, lactovegetariano, vegetariano estrito e vegano), o trecho reforça a importância da amamentação e da escolha por alimentos naturais como legumes, verduras, feijões e frutas para o desenvolvimento das crianças.

Mesmas regras de qualquer introdução alimentar

O princípio básico da amamentação e introdução alimentar vale igualmente para crianças vegetarianas ou não: nos primeiros seis meses de vida a criança deve receber apenas leite materno, e até os dois anos deve continuar a recebê-lo além dos outros alimentos.

No almoço e no jantar, diariamente, o Guia do Ministério da Saúde orienta que devem estar presentes: um alimento do grupo de cereais/tubérculos/raízes; um do grupo dos feijões (leguminosas); dois ou mais tipos de legumes e verduras (um vegetal folhoso verde-escuro e um legume colorido); além de uma fruta – que, se rica em vitamina C, contribui para aumentar a absorção do ferro da refeição.

O guia do Ministério da saúde sobre a alimentação de crianças veganas e vegetarianas ressalta também que o acompanhamento por profissionais de saúde (monitorando o crescimento e desenvolvimento) é importante não apenas para a criança vegetariana ou vegana, mas para qualquer criança. Além disso, dugere-se uma atenção especial à vitamina B12.

A nutricionista e organizadora do livro “Alimentação para Bebês e Crianças Vegetarianas até 2 Anos de Idade”, Thaísa Navolar, explica que muitos pais são desencorajados a oferecer alimentação vegetariana aos seus filhos por falta de informação. “A introdução alimentar vegetariana ou vegana deve ser feita com atenção aos grupos alimentares presentes no prato, como para qualquer outra criança. Desse modo, fazendo isso, não há nenhuma dificuldade”.

Além disso, o guia reforça que a amamentação materna contribui para não apenas para a segurança alimentar e nutricional (e saúde da mulher e da criança, e formação de vínculo afetivo), mas também para a sustentabilidade ambiental. “Isso porque dispensa a produção leiteira animal. Assim, reduzindo seu impacto na natureza e evitando resíduos que contribuem para a emissão do gás metano, com resultado direto no efeito estufa”.

Ministério da saúde: atenção a alimentação das crianças 

Além das duas páginas sobre crianças vegetarianas, as cerca de 260 páginas da publicação trazem outras orientações pertinentes e importantes para o aleitamento e introdução alimentar saudável. Assim, determinando, por exemplo, que ultraprocessados como biscoitos, bolachas, sucos artificiais e refrigerantes não devem fazer parte da alimentação da criança nesta fase.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, mais de quatro milhões de crianças estão acima do peso no Brasil. Além disso, mais de dois milhões têm sobrepeso. Contudo, os números são ainda mais complicados quando considerados os casos de obesidade (um milhão) e obesidade infantil grave (750 mil). Entre as menores de cinco anos, quase 20% têm excesso de peso.

Para a nutricionista e Coordenadora do Departamento de Saúde e Nutrição da SVB, Alessandra Luglio, a epidemia de obesidade enfrentada pelos brasileiros tem a ver com o que aprendemos a comer. “O brasileiro hoje come cerca de 300 gramas de carnes por dia, incluindo carnes processadas e embutidas, e esse hábito começa na primeira infância”, argumenta. “Os produtos de origem animal têm alto teor de gorduras saturadas e colesterol. Precisamos começar a falar mais não apenas da viabilidade, mas das vantagens da alimentação vegana desde cedo na prevenção de doenças e promoção de qualidade de vida”.

Confira o Guia completo do Ministério da Saúde sobre alimentação para crianças de até dois anos no link: https://www.svb.org.br/images/guia_da_crianca_2019.pdf

Foto: Shutterstock

Fonte: SVB

 

1 comentário

  1. Avatar
    Israel ebertz Malinoski em

    Ridículo, nada a ver, indiferente da opção, sendo ovolacto, vegetariano, vegano, etc, tem cadáver animal nos cardápios, vegetariano e vegano não timão leite de vaca , ridículo!!

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: