O que pode cortar o efeito da pílula anticoncepcional?

O uso concomitante de contraceptivos orais, adesivos ou injetáveis com determinadas classes de medicamentos pode trazer efeitos mais do que indesejáveis, como a diminuição ao até mesmo a anulação do seu efeito

O efeito da pílula anticoncepcional é um assunto que interessa boa parte da classe feminina. Afinal,  este é um dos métodos contraceptivos mais usados e difundidos no mundo. Segundo a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), no Brasil, em torno de 25% da população feminina que faz contracepção prefere a pílula. Além disso, a entidade informa que o método é o mais conhecido e popular entre as mulheres. A pílula é adotada no mundo todo por mais de 100 milhões de usuárias.

Se usada corretamente, a taxa de eficácia da pílula é superior a 99%. Mas, existe um risco de falha de 0,1% a 8%. Esse risco é atribuído principalmente a erros oriundos da administração do medicamento. Ou, ainda, a possíveis interações com outros fármacos.

Dessa forma, mulheres que fazem uso de contraceptivos, exceto as que usam o Dispositivo Intrauterino (DIU), de cobre ou hormonal, precisam redobrar a atenção ao iniciarem tratamentos com algumas classes de medicamentos. Afinal, o risco de interação medicamentosa do efeito da pílula anticoncepcional com outros fármacos é uma realidade.

Com o objetivo de apresentar os medicamentos que podem interagir com a pílula, a Contento Comunicação elaborou o E-Book Interação medicamentosa com anticoncepcional. Aqui, você poderá encontrar a explicação correta sobre a diminuição ou corte do efeito da pílula anticoncepcional.

Desse modo, a orientação às pacientes da farmácia que chegam com diversas dúvidas é fundamental.

Saem primeiros testes para a pílula anticoncepcional masculina

A pílula anticoncepcional masculina parece ser segura e eficaz quando tomada diariamente. Isso foi o que concluíram os Pesquisadores do Instituto de Pesquisas Biomédicas de Los Angeles (LA BioMed) e da Universidade de Washington. Eles anunciaram os anunciaram os resultados do estudo na reunião anual da Sociedade de Endocrinologia.

Os resultados mostraram que o contraceptivo oral masculino experimental – chamado undecanoato de dimetandrolona (DMAU) – produziu respostas hormonais que são consistentes com a contracepção masculina eficaz observada em outros estudos de longo prazo. Na dose mais alta de DMAU testada, 400 mg, os sujeitos mostraram “acentuada supressão” dos níveis de testosterona e dois hormônios necessários para a produção de espermatozoides, sem mostrar alterações no humor ou na função sexual. Mais estudos estão em andamento.

Ademais, os resultados de pesquisas globais sugeriram que mais de 80% dos homens estariam interessados ​​em um contraceptivo masculino reversível.

Fonte: Guia da Farmácia
Foto: Shutterstock


Pfizer apresenta Sayana, primeiro anticoncepcional com sistema de autoaplicação

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

1 comentário

Deixe um comentário