Reckitt Benckiser firma acordo de US$ 1,4 bi nos EUA

O acordo soluciona as investigações sobre como uma ex-subsidiária da Reckitt Benckiser lidou com o marketing de um medicamento usado para tratar o vício em analgésicos

A Reckitt Benckiser concordou em pagar US$ 1,4 bilhão com às autoridades americanas na maior pena já aplicada no caso da crise de opiáceos no país. O acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ, na sigla em inglês) e a Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC) soluciona as investigações sobre a forma como uma ex-subsidiária da Reckitt Benckiser lidou com o marketing de um medicamento usado para tratar o vício em analgésicos.

As autoridades americanas acusam a empresa, que pertenceu à Reckitt Benckiser até 2014, de ter feito afirmações não substanciadas sobre uma nova versão do Suboxone, um medicamento para tratamento de vícios, de 2006 a 2015. A Reckitt Benckiser desmembrou a unidade em 2014, transformando-a em uma empresa separada chamada Indivior, com ações negociadas no Reino Unido.

A decisão de chegar a um acordo chega apenas três meses depois de um tribunal do júri federal em Virgínia ter denunciado a Indivior e exigido pelo menos US$ 3 bilhões em multas pelas acusações de que a empresa tentou impulsionar as vendas do Suboxone, seu medicamento mais vendido, com um esquema de marketing fraudulento.

O acordo com a Reckitt Benckiser é o maior acertado até agora na crise que levou à morte de mais de 200 mil americanos e deixou cerca de 2 milhões sofrendo de distúrbios pelo uso de opiáceos, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCP).

Apesar de ter acertado um acordo de não julgamento com as autoridades dos EUA, a Reckitt Benckiser não precisou admitir nenhuma irregularidade.

“Embora a Reckitt Benckiser tenha agido dentro da lei em todos os momentos e negado expressamente todas as acusações de que teria se engajado em qualquer conduta irregular, o conselho de administração da RB, depois de cuidadosa consideração, determinou que o acordo está nos melhores interesses da companhia e de seus acionistas”, destacou a companhia em seu comunicado.

Novo executivo-chefe na Reckitt Benckiser

A Reckitt Benckiser tenta superar de vez o episódio, uma vez que prepara o terreno para um possível desmembramento de suas operações em duas empresas e aguarda a chegada de um novo executivo-chefe em setembro.

O caso vinha pondo em dúvida as perspectivas da empresa em razão dos riscos dos pagamentos que poderia ser obrigada a fazer em função dos problemas legais da Indivior ou até de ser denunciada futuramente. A Reckitt Benckiser havia reservado US$ 400 milhões para cobrir o passivo legal relacionado à Indivior.

Analistas do Morgan Stanley consideraram o acordo uma “clara resolução positiva” para a Reckitt Benckiser. As ações da empresa chegaram a subir 3% nos negócios pela manhã, enquanto as da Indivior subiram 25%.

O valor da pena contra a Reckitt Benckiser

Resolver a questão, porém, não saiu barato. A pena contra a Reckitt Benckiser supera de longe a de US$ 600 milhões paga pela Purdue Pharma, que foi pioneira com o medicamento opiáceo mais popular, conhecido como OxyContin. Financiada pela família bilionária Sackler, a empresa de capital fechado ainda pode enfrentar vários processos na esfera estadual e já comunicou que estuda entrar com pedido de recuperação judicial para proteger-se.

Para Laxman Narasimhan, que vai ser o novo executivo chefe da Reckitt Benckiser, o acordo tira de sua frente um problema espinhoso, que poderia ter impactado sua presidência. Agora, o veterano da PepsiCo poderá direcionar suas atenções para reanimar as vendas estagnadas da divisão de saúde da empresa, que comercializa medicamentos vendidos sem receita como o Nurofen e o Mucinex.

Mudanças na estrutura da Reckitt Benckiser

Sua outra grande tarefa será intensificar os esforços da Reckitt Benckiser para separar-se em duas empresas – uma de saúde e outra de produtos de uso doméstico e de higiene. O projeto, conhecido internamente com “RB 2.0”, é peça essencial na estratégia da companhia e investidores temiam que as incertezas com os problemas jurídicos nos EUA pudessem retardar o plano.

O acordo com as autoridades americanas também prevê a criação de um fundo para os Estados americanos que pagaram o Suboxane para pacientes participantes do Medicaid, o programa público de assistência médica. Ainda assim, cada Estado pode optar por fazer parte ou não do acordo, de forma que a empresa ainda poderia enfrentar processos dos Estados que optem por seguir tal caminho.

A empresa também concordou em cooperar nas investigações contra a Indivior, que continua lutando contra as acusações. O julgamento está marcado para 2022.

A Reckitt Benckiser informou que vai pagar a pena por meio de linhas de crédito que já possui e do caixa de seus negócios. O tamanho da pena foi calculado com base na soma das vendas do medicamento Suboxone Film para pacientes dos programas públicos de saúde Medicaid e Medicare entre 2010 e 2014.

Foto: Shutterstock
Fonte: Valor Econômico

Leia também: Acordo entre Mercosul e União Europeia pode poupar R$ 144 milhões ao ano em medicamentos para o Brasil

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário